Vitta dá mais um passo e lança plano de saúde para startup com medicamento incluso

Vitta dá mais um passo e lança plano de saúde para startup com medicamento incluso

Fernanda Guimarães

29 de novembro de 2019 | 04h06

Por Fernanda Guimarães

Depois de lançar um plano de saúde exclusivo para startups, a Vitta, que tem como investidores peso-pesados como Jorge Paulo Lemann, Armínio Fraga, Maurício Ceschin e André Street, faz outro lançamento inédito no País: o plano de saúde com remédios inclusos. A novidade, desenvolvida juntamente com a ePharma, contará com uma rede de 8,3 mil farmácias conveniadas, incluindo gigantes como Paguemenos e Drogaria São Paulo. No plano, o beneficiário pagará 10% no valor quando os medicamentos forem genéricos e 50% quando ele preferir o remédio da marca que gerou a patente. O benefício, contudo, seguirá voltado para startups.

Leia também: Proposta de plano de saúde ‘pay-per-view’ mira clientes do mercado informal

No mercado há cerca de quatro anos, a Vitta nasceu como uma empresa de prontuários eletrônicos e desenvolveu, assim, uma rede própria de médicos. Hoje são mais de 15 mil. Neste ano, um passo maior foi dado com o lançamento do plano de saúde voltado para exclusivamente para startups. Agora, mais um degrau, com o plano com medicamentos. Atualmente, a Vitta já atende mais de 80 mil vidas. A companhia ainda não abre o número de startups que já são clientes após o lançamento do plano de saúde, mas o presidente da companhia, João Gabriel Alkmim, afirma que hoje a fila de espera já chega a 20 mil vidas.


Foto: Tiago Queiroz/ Estadão
(Da esq. para dir.) Claudia Galdino, diretora comercial, Luca Ceschin, responsável por novos negócios e João Gabriel Alkmim, presidente

No caso dos planos com medicamentos, as prescrições serão feitas por médicos da Vitta Network. Ao receber a receita, o membro do plano poderá adquirir os remédios apresentando o Cartão Digital do Plano de Medicamentos Vitta nas drogarias associadas, que poderão ser encontradas pelo aplicativo da empresa, que utiliza geolocalização, o qual indicará ao usuário a unidade mais próxima para a aquisição do remédio. Segundo Alkmim, por conta do uso da tecnologia, a Vitta conseguirá controlar potenciais fraudes, fator que afastou, até hoje, planos tradicionais de lançarem produtos com medicamentos. “Mas nós vimos uma oportunidade de adicionar valor. Não adianta ir ao médico e não seguir o tratamento e muitas vezes o tratamento envolve a compra de remédios”, disse o executivo, em entrevista ao Broadcast.

Por trás da estratégia da Vitta está o uso mais intenso da tecnologia, característica que, a princípio, é algo já do dia a dia do mundo das startups. Além do fato das startups terem os “early adopters”, como são chamadas as pessoas mais dispostas a usarem novas tecnologias, o presidente da Vitta destaca que a visão é de que essas empresas irão crescer. Atendendo essas companhias, assim, a Vitta crescerá junto, comenta. Dentre as aplicações da tecnologia, tanto o plano com e sem medicamentos contam com atendimento de uma equipe médica por aplicativo, WhatsApp, telefone e telemedicina.

No novo plano, com medicamentos, os médicos poderão fazer a prescrição de uma lista de mais de sete mil itens, que contempla 96% dos princípios ativos mais prescritos a adultos. Já o farmacêutico autoriza a transação nas lojas por meio de um software e o usuário paga sua contribuição (10% do valor se for genérico) na própria farmácia.

Os primeiros planos para startups que a Vitta lançou custam, na média, aproximadamente, 15% a menos que as apólices convencionais. Já as assistências com medicamentos terão valor médio 8% a menos que o serviço equivalente tradicional e sem medicamentos, segundo cálculos da companhia.

Segundo o presidente da Vitta, uma das estratégias da companhia é trabalhar fortemente da prevenção e o lançamento do plano com medicamentos incluso segue essa direção. Com a prevenção, destaca, há menos necessidade de hospitalização, destaca. Na outra ponta, um dos objetivos é remunerar melhor os médicos que trabalham para a Vitta. Segundo ele, os médicos recebem remuneração por hora em linha, ou até superior, do que os melhores hospitais de São Paulo.

Contato: colunabroadcast@estadao.com
Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

plano de saúdeStartup

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.