VTEX escala ex-executiva do Facebook e do Google para liderar tecnologia

VTEX escala ex-executiva do Facebook e do Google para liderar tecnologia

Gabriel Baldocchi

19 de janeiro de 2022 | 05h30

Ações da empresa valem menos da metade do valor de estreia na NYSE  Foto: REUTERS/Brendan McDermid

A tech brasileira VTEX escalou um reforço de peso para tentar suavizar as dores da transição do estágio de startup para o nível maduro de companhia aberta. Fernanda Weiden assume a área de tecnologia no cargo de Chief Technology Officer (CTO) em meio ao primeiro grande teste de vida pública da empresa. As ações da plataforma de serviços para e-commerce valem hoje menos da metade do patamar da estreia na Bolsa de Nova York, em meados do ano passado, como parte de um movimento de aversão a risco que tem afetado os papéis do setor.

Weiden traz o conhecimento de suas experiências em big techs, principalmente na área de confiabilidade e escalabilidade. Ela acumula passagens pelo Google e pelo Facebook, onde contribuiu para a transição de uma operação menor e mais ágil, com cara de startup, para o nível de peso que as duas gigantes têm hoje. A chegada do reforço permitirá ao fundador e co-CEO Geraldo Thomaz se dedicar mais à gestão do negócio.

Fernanda Weiden, nova CTO da VTEX. Foto: Viktoria Gebei-Tari/ Divulgação

O time de tecnologia da VTEX dobrou de tamanho nos últimos dois anos e tem hoje 500 pessoas. Mas a intenção não é multiplicar a equipe na mesma proporção. Seu principal objetivo é garantir solidez ao negócio, sem perder agilidade, e dar foco às áreas estratégicas, o que pode compreender inclusive aquisições para acelerar os ganhos de competência.

Global

A VTEX é hoje um nome global do setor, com atuação em 32 países. O foco principal é América Latina, mas há esforços para ampliar a atuação nos mercados americano e europeu.

Weiden reconhece as dificuldades do momento e da condição de brasileira no mundo tech, mas vê o quadro atual como passageiro. “A VTEX é uma empresa nova e essas flutuações de mercado, que são do momento econômico que estamos vivendo, se potencializam mais”, afirma.

Ela enfatiza a visão de longo prazo e vê no cenário atual uma oportunidade de olhar para dentro da empresa e identificar como reforçar narrativas da solidez que a companhia tem. “O mercado não conhece a Vtex de vinte anos de história, o mercado conhece a VTEX que abriu capital há seis meses atrás”, afirma.“Somos uma empresa sustentável e estamos pensando num futuro ainda maior.”

A experiência do Facebook e do Google deve ajudar nessa tarefa, com a vantagem de ainda manter a agilidade de quem ainda não chegou no mesmo patamar. “O equilíbrio que temos de alcançar é como jogamos o jogo das empresas de mercado aberto e não nos engessamos demais”, afirma Weiden.

No acumulado de janeiro a setembro do ano passado, a VTEX viu sua receita crescer 30% em relação ao mesmo período de 2021, para US$ 88,7 milhões. No período, a companhia registrou perda de US$ 32,2 milhões.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 18/01/22, às 15h28.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

tecnologiavtexfacebookgooglee-commerce

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.