finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasil de fora da onda global de queda nos juros

Outros bancos centrais emergentes já respondem ao reflexo do colapso nos preços do petróleo, enquanto o BCE deve embarcar num programa mais potente de alívio monetário

danielamilanese

20 de janeiro de 2015 | 12h32

Desde a Ásia, passando pela América Latina, África e Europa, incluindo a Escandinávia, existe uma clara força que se espalha pelo mundo: a tendência de queda na inflação e nos juros pelos bancos centrais. Curiosamente, o Brasil está de fora dessa onda global, acompanhado somente da Rússia. O movimento pode até mesmo ter força suficiente para adiar mais uma vez o início do processo de aperto monetário nos Estados Unidos.

Enquanto outros países se movem para ajustar as expectativas trazidas pelo colapso do preço do petróleo, curiosamente o Banco Central do Brasil deve subir novamente os juros na reunião desta quarta-feira em meio ponto porcentual, para 12,25% ao ano, conforme as previsões dos economistas.

A medida virá logo após outros bancos centrais emergentes terem surpreendido com anúncios de alívio monetário. Na semana passada, em decisão extraordinária, a Índia reduziu sua taxa em 0,25 pp, para 7,75%. O BC indiano, presidido pelo conceituado Raghuram Rajan, avalia que a inflação pode cair abaixo da meta de 6% no início do próximo ano. Importadora de energia, a Índia é uma clara beneficiária do mergulho nos preços do petróleo para cerca de US$ 50,00.

No Peru, o crescimento econômico comedido e a convergência mais rápida da inflação para a meta de 2% levaram o BC a cortar os juros em 0,25pp, para 3,25%, trazendo o movimento para a América Latina. No norte da África, o Egito reduziu a taxa em 0,50 pp, para 8,75%.

Nesta terça-feira (20), a Turquia se juntou ao movimento e baixou sua taxa de referência de 8,25% para 7,5%.

Entre as economias mais importantes do mundo, a maior expectativa recai sobre o Banco Central Europeu, que deve embarcar na quinta-feira (22) em um programa de afrouxamento quantitativo completo, inclusive com a compra de bônus soberanos no mercado, seguindo o caminho já trilhado pelo Federal Reserve e o Banco da Inglaterra há vários anos.

É uma medida radical para o BCE, evitada até hoje por representar um enorme tabu para a zona do euro. Entretanto, depois de esgotar todas as outras possibilidades, inclusive já com taxas negativas, a região está tendo de buscar uma saída mais potente para lutar novamente contra a deflação.

Quem também ficou, aparentemente, sem alternativas foi o banco central da Suíça, que chocou o mundo financeiro na semana passada ao jogar a toalha e desistir do piso estabelecido para o câmbio frente ao euro. Considerada um “cisne negro”, a decisão ainda pode ter novos reflexos sobre os mercados – há corretoras em dificuldades em razão da disparada repentina do franco suíço – e sobre a credibilidade da autoridade monetária do país. A Dinamarca também decidiu se antecipar ao BCE e já reduziu sua taxa básica de 0,20% para 0,05%.

No Reino Unido, a desaceleração da inflação adia os planos de aperto monetário do Banco da Inglaterra. O índice de preços ao consumidor fechou 2014 em apenas 0,5%, muito abaixo da meta e no menor nível em 15 anos.

O tema da deflação também chega como alerta sobre a Ásia. A desaceleração na China já provocou corte inesperado dos juros no final do ano passado. E o Banco do Japão simplesmente não consegue abandonar seu viés de pura frouxidão. Na reunião desta quarta-feira, o banco poderá ter de ampliar o prazo de programas de estímulo já em andamento.

Até poucos dias, prevalecia a percepção de que o primeiro semestre de 2015 marcaria, finalmente, o início do processo de alta nos juros dos EUA. Enquanto praticamente o resto do mundo patina, a economia norte-americana consegue engatar recuperação isoladamente. Mas surgem dúvidas sobre a capacidade de o país se sobressair enquanto outras regiões tão importantes desaceleram.

Apesar da melhora do mercado de trabalho, a falta de impulso dos salários preocupa. Além disso, a retração das commodities também tem impacto direto sobre a inflação. O índice de preços ao consumidor caiu 0,4% em dezembro, na comparação com o mês anterior.

“Há muitos pólos de crescimento em compressão, a China está longe do suporte que dava ao mundo antes e os EUA podem chegar num ponto de exaustão”, acredita Luis Costa, estrategista para emergentes do Citi, em Londres.

Do lado oposto, há um país no centro de turbulência geopolítica e crise cambial: a Rússia. O conflito com a Ucrânia e as sanções impostas pelo Ocidente resultaram numa expressiva alta nos preços e forte depreciação do rublo, o que levou o BC a subir agressivamente os juros para estancar a turbulência.

O Brasil se encontra em situação bastante diferente, mas também na contramão. Por aqui, a política adotada nos últimos anos é apontada como responsável pela situação atual. O chamado realismo tarifário traz o fim do represamento dos preços administrados e mantém a inflação pressionada neste início de ano, como parte dos ajustes considerados necessários para acertar a economia.

Será importante perceber os sinais do BC sobre a dose realmente necessária para colocar as taxas nacionais num patamar desejável.

De imediato, essa divergência em relação ao resto do mundo traz um diferencial de juros atrativo para os investidores e pode ser um facilitador. Seria bem mais difícil atravessar os tantos desafios de 2015 se o Fed estivesse realmente na iminência de um aperto monetário.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: