As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Emergentes dependem da estabilização de mercados principais

24 de maio de 2010 | 13h17

Os emergentes estão passando pelo clássico contágio financeiro da crise do euro e dependem da estabilização dos mercados na Europa e Estados Unidos para conseguirem retornar à normalidade, avalia o estrategista-chefe de emergentes do HSBC, Philip Poole.
 
“Enquanto os principais mercados não se estabilizarem, fica difícil argumentar que a aversão ao risco vai acabar”, afirmou à Agência Estado.
 
O próximo ponto, avalia, é saber se os emergentes também sofrerão o impacto da turbulência europeia pelo canal das exportações e da economia real. No momento, ele não vê isso acontecendo, mas os desdobramentos dependerão da duração da instabilidade externa.
 
O clima de incerteza prejudica a tomada de decisões para investimentos e a confiança do consumidor. “Não vejo o impacto na economia real como algo já certo, no entanto os riscos estão crescendo”, disse.
 
Para o Brasil, avalia o estrategista do HSBC, o maior desafio do momento é combater a inflação, algo que deve ser facilitado pela queda do preço das commodities. Segundo ele, o País tem como vantagem a diversificação geográfica das exportações, com menor dependência da Europa.
 
O prolongamento do estresse sobre o euro tende a elevar ainda mais o custo do dinheiro no mercado interbancário internacional e a encarecer o crédito. “A crise pode reduzir a disponibilidade e aumentar o custo do crédito, o que é transmitido para a economia real.”
 
Poole acredita que, para a confiança retornar, os investidores querem ver coordenação política na Europa, algo que está em falta. Na semana passada, a decisão da Alemanha de proibir unilateralmente as operações de venda a descoberto representou susto para os mercados. A medida explicitou a desarticulação do bloco num momento delicado, exatamente quando o consenso se faz mais necessário.

Tudo o que sabemos sobre:

BrasilCriseemergentesHSBC

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.