As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Fim do boom das commodities traz mundo novo para emergentes

Desaceleração da China e patamar mais baixo dos preços das matérias-primas são cenários vistos como definitivos no exterior

danielamilanese

23 de abril de 2015 | 23h33

O boom da China e das commodities chegou ao fim e os países emergentes precisam encarar esse novo cenário considerado definitivo. No exterior, prevalece a percepção de que a máquina que puxava o crescimento global avançará a passos mais lentos, muito provavelmente abaixo dos 7% esperados pelo governo chinês neste ano. Como resultado, os preços das matérias-primas permanecerão mais baixos.

A situação foi colocada de forma clara inclusive pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. “Estamos vivendo num mundo novo e por isso é tão importante a reengenharia que estamos fazendo na economia brasileira”, afirmou o ministro, durante evento em Nova York nesta semana, após participar da reunião de Primavera do Fundo Monetário Internacional.

Outras autoridades financeiras também veem o esgotamento do processo de forma irreversível. Os presidentes dos bancos centrais do Chile, Rodrigo Vergara, e do Canadá, Stephen Poloz, admitem o final do chamado super ciclo. Como o Brasil, os dois países são diretamente afetados pelo novo momento e enfrentam choques, em razão da dependência do cobre e do petróleo, respectivamente.

“A resposta da oferta foi ficando cada vez mais rápida e, sim, já vimos a maior parte do ciclo”, afirmou Poloz, durante evento em Nova York. “Nosso maior risco vem da China, nosso principal parceiro e maior consumidor de cobre do mundo”, disse Vergara.

Durante a reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, a queda nas commodities foi bastante apontada como fator problemático para as nações em desenvolvimento e se tornou um dos principais pontos de debates. Há certo consenso de que o mergulho dos preços das matérias-primas foi muito mais rápido que o previsto, com uma força e concentrada em poucos meses.

Para o Banco Mundial, as mudanças enfrentar pela América Latina, em razão da desaceleração da China, são permanentes. A região deverá se adaptar a uma “nova normalidade ” de crescimento econômico mais baixo, limitado a 0,8% neste ano, prevê o órgão.

Se por um lado o colapso do petróleo pode estimular a economia global, por outro significa problemas relevantes para os produtores. Esse é um dos motivos que faz o fundo apontar que a maior parte dos riscos para a estabilidade financeira agora está concentrada nos emergentes, e não mais nos desenvolvidos.

Uma dúvida é saber como os países conseguirão atravessar o novo período. O Brasil transmitiu, em Washington, sua mensagem para atrair investidores estrangeiros, como fundos de pensão, ao programa de concessão de infraestrutura, a ser lançado em maio. No Canadá, as empresas produtoras buscam cortar custos, para aumentar a eficiência e conseguir lidar no novo ambiente.

O Banco Mundial e o FMI apontam, como sempre, a necessidade de reformas. “O forte crescimento dos anos 2000 não deve revisitar a América Latina, a não ser que sejam adotadas vigorosas reformas pró-crescimento”, afirma o Banco Mundial.

Nesse cenário, os olhares se voltam para a estratégia que virá das duas principais economias do mundo. A China já reduziu compulsório no último final de semana e acredita-se que poderá vir com novas medidas de estímulo para, ao menos, cumprir a meta de crescimento de 7%, enquanto ajusta seu modelo econômico.

Em meio à forte queda da inflação global, também fica a dúvida sobre quando o Federal Reserve passará a efetivamente apertar sua política monetária. Entre especialistas no exterior, não há dúvida de que esse será mais um momento de volatilidade para os emergentes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.