Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Maratona de dados medirá ritmo da economia global na semana

30 de maio de 2011 | 10h08

O feriado de hoje nos Estados Unidos e no Reino Unido será útil para os investidores tomarem fôlego diante do que vem pela frente nesta semana. Além do suspense cada vez maior com a Grécia, os próximos dias trarão uma leva eletrizante de indicadores capazes de medir o ritmo do crescimento global, a mais nova preocupação do momento.

O ambiente segue bastante instável no exterior. A situação da Grécia fica mais intrincada e delicada. Ao mesmo tempo, cria-se um consenso de que a atividade mundial está desacelerando no segundo trimestre. Se uma moderação é desejável nos países emergentes, não estava nos planos dos desenvolvidos. Os dados mais recentes apontam que os Estados Unidos, a Europa e o Japão mostram desempenho aquém do esperado.

Essa percepção deve ser reforçada ao longo da semana. Como sempre, a maior expectativa recai sobre os dados do mercado de trabalho dos Estados Unidos, o tão aguardado payroll, na sexta-feira. O consenso aponta para a criação de 190 mil vagas em maio, bem menos do que os 244 mil postos lançados em abril. Para o desemprego, a projeção é de leve queda de 9% para 8,9%.

“Os dados dos EUA continuaram sem brilho na semana passada e os próximos devem refletir uma história similar”, avalia Julia Coronado, analista do BNP Paribas. Depois da decepção com vários números, investidores passaram a falar em tom mais alto sobre a possibilidade de nova ação do Federal Reserve. Já os analistas acreditam que o programa de alívio quantitativo deve mesmo terminar em junho. De qualquer forma, o dólar continua mostrando fraqueza.

Até sexta-feira, haverá muita movimentação com outros importantes números no exterior e também no Brasil. Na Europa, saem na quarta-feira os indicadores de atividade (PMI) de diversos países, como Alemanha, Reino Unido, França, Itália e Espanha. No Japão, onde os efeitos do terremoto parecem mais fortes que o previsto, serão anunciados hoje à noite a produção industrial e o desemprego em abril.

No mundo emergente, a China divulgará amanhã os índices industriais CFLP e HSBC de maio. Os indicadores mais recentes já apontam para desaceleração na potência asiática. No Brasil, existem dúvidas sobre uma moderação da atividade, o que poderá ser medido pela produção industrial amanhã e o PIB do primeiro trimestre na sexta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:

PIB; Grécia; EUA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

  • O Pix é seguro? Veja dicas de especialistas sobre o sistema de pagamentos
  • 13º salário: quem tem direito, datas e como a pandemia pode afetar o cálculo
  • Renda básica: o que é, quais os objetivos e efeitos e onde é aplicada