As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Melhora do humor externo facilita retorno na Quarta-feira de Cinzas

17 de fevereiro de 2010 | 13h07

A melhora do humor nos mercados internacionais facilita a volta aos negócios nesta quarta-feira de Cinzas. Apesar das preocupações que ainda rondam a economia global, os investidores adotaram comportamento mais festivo no exterior, durante o Carnaval no Brasil.

Com a percepção de que o quadro na Grécia está relativamente sob controle, dados positivos da economia dos Estados Unidos e balanços de bancos bem recebidos nesta manhã, caso do BNP Paribas e ING, estimulam a compra de ativos financeiros depreciados pela turbulência das últimas semanas. As bolsas europeias avançam cerca de 1%.

Ajuda saber que a Grécia, ainda no centro do furacão e sob pressão renovada, registrou superávit orçamentário de 574 milhões de euros em janeiro, depois do déficit de 1,554 bilhão de euros do mesmo período do ano passado. O número melhorou em decorrência de um imposto cobrado uma única vez das empresas, mas o país também reduziu despesas, conforme a Dow Jones.

Do encontro de ministros de finanças da União Europeia, encerrado ontem, saiu um ultimato: a Grécia tem um mês, até 16 de março, para provar que pode cumprir o plano de redução da dívida pública. A partir do projeto mais detalhado a ser apresentado pelo país, o bloco decidirá se medidas adicionais de controle ainda serão necessárias.

Analistas acreditam que a UE falará mais alto que o governo grego e exigirá sim novos cortes de gastos. “O tom do comunicado e os comentários de vários líderes deixam pouca dúvida de que a pressão sobre a Grécia está e permanecerá elevada”, diz Luigi Speranza, do BNP Paribas.

Durante o feriado brasileiro, a polêmica sobre a dívida do país pegou fogo com uma reportagem do New York Times, relevando que, em 2001, a Grécia fechou negócios envolvendo derivativos com o Goldman Sachs que permitiram camuflar o seu endividamento. A União Europeia já pediu uma investigação sobre o caso. O assunto ainda deve render discussões porque há suspeitas de que outros países europeus teriam fechado transações do mesmo tipo.

A irritação de autoridades com a instabilidade no mercado financeiro em relação aos títulos gregos ficou explícita nas palavras de Jean-Claude Junker, que lidera os 16 ministros de finanças da zona do euro. “Os mercados financeiros estão claramente errados se acreditam que podem quebrar a Grécia em pequenos pedaços”, disse.

O cenário na Europa segue delicado porque a recuperação econômica caminha muito lentamente e aquém do esperado, como mostrou resultado do PIB da zona do euro no quarto trimestre, com alta de apenas 0,1%. A França foi a única das quatro maiores economias da região a mostrar expansão, já que a Alemanha surpreendeu ao registrar apenas estabilidade no período. Depois dos números, o UBS já rebaixou a projeção do PIB para a zona do euro neste ano, de 2,4% para 1,5%. O banco também passou a prever que o Banco Central Europeu só elevará o juro uma vez em 2010.

Durante o Carnaval no Brasil, a China também entrou em período de feriado pela chegada do Ano do Tigre. Isso elimina a possibilidade de novas informações sobre aperto monetário no país nesta semana, após a elevação do compulsório na sexta-feira passada, de 0,5 ponto porcentual, para 16,5%.

Nos EUA, depois das comemorações pelo dia do Presidente na segunda-feira, a agenda de indicadores segue a todo vapor. As novas obras residenciais iniciadas em janeiro subiram 2,8%, como divulgado há pouco, o que dá suporte para o dólar. Logo mais, às 12h15 (de Brasília), sai a produção industrial de janeiro. Às 13h30, serão divulgados os estoques de petróleo. Às 15h, é a vez da ata da reunião do Fomc.

Às 12 horas (de Brasília), as bolsas de Londres (+0,93%), Paris (+1,86%) e Frankfurt (+1,34%) subiam.

O dólar tinha vantagem sobre as moedas europeias, já que o euro recuava 0,50%, para US$ 1,3710, e a libra perdia 0,115, para US$ 1,5764. Na comparação com o iene, o dólar valia 90,95 unidades, alta de 0,71%.

No mesmo horário (acima), o petróleo operava a US$ 77,29 no pregão eletrônico da Nymex, com ganho de 0,36%.

Tudo o que sabemos sobre:

Grécia; UE; Estados Unidos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.