Panelaço gourmet? Veja as 7 panelas mais caras do Brasil
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Panelaço gourmet? Veja as 7 panelas mais caras do Brasil

Utensílio doméstico convertido a objeto de protesto contra a presidente Dilma Rousseff pode custar até R$ 572

Gustavo Santos Ferreira

10 de março de 2015 | 07h00

de-olho-nos-precos

Excetuando o caso de algum extraterrestre ter baixado no Brasil agora, todos por aqui debatem os protestos simultâneos ao pronunciamento da presidente Dilma Rousseff. Se você for um desses desavisados, fazemos aqui breve resumo do que se passa.

Na noite de domingo, sensibilizadíssimos (ou não?) com a situação dos milhões de brasileiros cada vez mais à beira da panela vazia, moradores de áreas nobres e de classe média do Brasil – em São Paulo, nos bairros de Higienópolis e Perdizes, por exemplo – esvaziaram as próprias panelas para batucar.

>>> Inflação sobe para maior nível desde 2005 

(VÍDEO) Dólar em alta: 16 produtos que devem ficar mais caros 

Misturando à barulheira algumas ofensas como “vaca”, “p…” e afins ao ato, preferiram eles não ouvir o discurso. Gritaram pela saída imediata da presidente de seu posto, em favor dos desvalidos.

menino-maluquinho

Fez-se assim o tal “panelaço” brasileiro, à semelhança dos ocorridos na Argentina – o daqui não se deu nas ruas, mas, sim, nas varandas. Ao termo “panelaço” seus discordantes acrescentaram a alcunha de “gourmet”, transformando a manifestação em motivo de chacota.

“Panelaço” ou “Panelaço gourmet”?

Não cabe a este blog, cujo intuito é estar de olho nos preços, julgar com quem está a razão. Mas, de olho nos preços que estamos, pedimos ajuda ao site comparador de preços Zoom. E, sob nosso pedido, eles pesquisaram quais as 7 panelas mais caras do Brasil. Algumas delas, parece provável, ganharam escoriações enquanto Dilma dizia na tevê que “o Brasil é maior que tudo isto”.

Veja a relação no gráfico:

A mais cara das panelas, como se vê, sai por nada menos que R$ 572,79. Fica a torcida para que ela não tenha sido amassada no último domingo. Com seu preço daria para comprar mais de uma cesta básica em São Paulo. De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos (Dieese), com esticada de mais de 16% nos preços em 12 meses, o conjunto de produtos ultrapassa R$ 378 – ou 48% do salário mínimo.

Acompanhe nossa página no Face!

Leia mais!

Entretanto, um alento para quem deseja ver mais cheias as panelas dos menos favorecidos: pelo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a alta dos alimentos caiu de 1,48% para 0,81% entre janeiro e fevereiro.

panelaço

Doeu no bolso, foi?

Clique aqui e solte o verbo!

 

Tendências: