Passe Livre convoca 1ª passeata contra a alta das tarifas de ônibus
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Passe Livre convoca 1ª passeata contra a alta das tarifas de ônibus

Responsável por eclodir manifestações em junho de 2013 por todo o Brasil, grupo promete voltar às ruas para barrar reajuste em SP

Gustavo Santos Ferreira

27 Dezembro 2014 | 13h16

Congeladas desde o histórico movimento popular eclodido em junho de 2013 por todo o Brasil, as tarifas de transporte público em São Paulo começam a subir no próximo dia 6. E o Movimento Passe Livre (MPL), responsável por alguns dos primeiros atos que levaram milhões às ruas para reclamar também de outras dores, já avisou:

 – Não aceitaremos nenhum centavo a mais! Agora é de R$ 3 para baixo, até zerar!

atocontratarifa

Na ocasião, as tarifas de ônibus e metrô subiriam de R$ 3,00 para R$ 3,20. Mas, após as manifestações ganharem proporção inesperada – e depois de muito os dois baterem os pés -, o prefeito Fernando Haddad e o governador Geraldo Alckmin não tiveram escolha: recuaram.

Agora, a Prefeitura pretende levar o preço da passagem de ônibus, quando paga em cash, para os R$ 3,50. Quanto às viagens de metrô, por ora não há anúncio oficial em relação ao tamanho do reajuste.

>>>> Saiba o que vai ficar mais caro em 2015

Para quem quiser repetir o coro de 2013, de ? quem não pula quer tarifa ?, o primeiro “grande ato contra” do MPL está marcado para 9 de janeiro, em frente ao Teatro Municipal.

Quatro dias antes, no dia 5, eles prometem aula pública diante da Prefeitura – “se é que alguém ali ainda quer aprender alguma coisa”, dizem. Ambos os eventos estão marcados para as 17hs.

Sobre o passe livre estudantil anunciado pela gestão Haddad, o MPL considera uma vitória de quem esteve nas ruas, “uma conquista do povo”. E entende que cobrar passagens dos demais cidadãos “é uma escolha política pela exclusão de pessoas e em favor do lucro dos empresários de ônibus”.

Procurados pelos De olho nos preços para maiores esclarecimentos, representantes do MPL ou se negaram a conversar ou não atenderam aos telefonemas. Mantemos nosso espaço aberto, caso queiram.

Doeu no bolso?

Reclame nos comentários acima, à direita, ou aqui com a gente:

gustavo.ferreira@estadao.com