As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Você sabe onde ficam ‘guardadas’ as suas ações?

Paulo Silvestre

27 de abril de 2010 | 14h27

A CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia) ou simplesmente Central Depositária, da BM&FBovespa, é a guardiã das suas ações. É claro que é importante escolher a dedo o banco ou a corretora antes de começar a negociar. Mas, de fato, quem garante as operações de compra e venda de ações na Bolsa e quem cuida das suas ações é a CBLC. Abaixo, minha conversa com o Luiz Felipe Paiva, diretor da Central Depositária da Bolsa.

As ações ficam depositadas na CBLC? E como ficam os bancos e as corretoras então?

As ações ficam depositadas na Central. Os bancos e as corretoras são clientes da Central Depositária. É a Central que faz o processo de relacionamento com as empresas e que garante que o saldo depositado realmente tenha lastro. Além disso, também acompanhamos todas as notificações das empresas ao mercado, como dividendos, juros e subscrição. Nosso papel é encaminhar para o banco ou para a corretora que é quem faz o serviço de repasse ao investidor.

Qual o volume financeiro atual em ações na CBLC?

No final de março, chegava a R$ 1 trilhão de reais em ações. Esse volume é crescente em decorrência da quantidade cada vez maior de IPOs.

Além do papel de guardiã das ações, a CBLC também faz o controle de risco, é isso mesmo?

Sim, são funções diferentes. Uma coisa é a guarda das ações. Outra, é quando o investidor quer negociar ações. Uma vez que o investidor decide comprar ou vender as ações, a CBLC é a garantidora desse contrato,  de que vai ser feita a transação. É aí que entra o controle de risco.

Mas, para o investidor, esse controle por parte da CBLC é invisível…

Sim, esse trabalho não aparece para o investidor. O investidor está comprando ou vendendo e ele não sabe qual é a contraparte dele, só sabe que está comprando e vendendo na Bolsa. Mas, aqui, nós sabemos quem é quem, pois acompanhamos de perto as operações e fazemos o gerenciamento de risco.

Ou seja, é a CBLC quem garante que haja sempre uma ponta compradora e outra vendedora, garante que a operação seja feita e que o investidor não perca dinheiro?

Sim, temos um arcabouço de administração de risco para garantir as operações.

Qual o principal canal de contato da CBLC com os investidores?

Via extrato mensal, que quem investe em ações recebe, e via site da CBLC, no link Canal Eletrônico do Investidor. Com uma senha, lá ele tem o controle de toda a posição em custódia, tanto em ações quanto em título público.

Lá fora também funciona assim, com os mesmo conceitos daqui do Brasil?

Sim, as centrais depositárias têm o mesmo modelo no mundo todo. Ela é fundamental para que ocorram negociações de forma ágil.

Sem erros, perda de dinheiro ou fraudes…

É isso mesmo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.