Na hora da compra, descarte: programa disponibiliza descarte de chuveiros elétricos usados em lojas

Na hora da compra, descarte: programa disponibiliza descarte de chuveiros elétricos usados em lojas

Amcham Brasil

06 Julho 2018 | 12h44

A logística reversa é um desafio para grande parte das empresas. Isso se agrava quando falamos da “linha branca” do lixo eletrônico – máquinas de lavar roupa, geladeiras, fornos elétricos. Quando há algum problema e é necessário trocar esses produtos, geralmente estes são doados e consertados. Ainda assim, no fim da vida útil, é difícil se certificar de que aqueles objetos não serão colocados em lixões e aterros sanitários irregulares. Encontrar pontos de descarte, viabilizar a logística e desenvolver processos de reciclagem específicos são algumas dessas dificuldades.

E se, na hora da compra de um novo produto, houvesse a disponibilidade de descartar o antigo, no mesmo local? Esse é o projeto Compra Sustentável Hydra da Duratex, em parceria com a Leroy Merlin. A iniciativa propõe que clientes descartem chuveiros elétricos usados (e de qualquer marca) em pontos de descarte localizados em doze lojas da Leroy Merlin: onze em São Paulo e uma em Sorocaba. A ideia é que haja facilidade para o consumidor dar a destinação correta a um produto quebrado. Até o fim de junho, a loja também disponibilizava desconto em um novo chuveiro da marca Hydra caso o consumidor realizasse o descarte.

Izidoro Machado, coordenador de Sustentabilidade da Duratex, explica que esse projeto servirá como piloto para melhorar os processos e também testar o comportamento do consumidor mediante a reciclagem. “Entendemos que seria importante começar pelo chuveiro elétrico e começamos a estudar como seria implementar esse modelo. Nesse desenvolvimento, vimos que seria importante entender o comportamento do cliente, como seria a logística de trazer as peças e o que seria feito com esse material. Foi muito importante entender o que seria feito com esses produtos devolvidos para, de fato, dar um destino correto. Era uma grande preocupação nossa”, explica.

Como o projeto foi concretizado há menos de um mês, a iniciativa ainda está na primeira fase de comunicação para que houvesse aderência e campanhas de conscientização através de seus canais e redes sociais. E a ideia é de ampliar ainda mais esse tipo de ação, usando o Compra Sustentável como aprendizado para as próximas fases.

Para a concretização do projeto, a Duratex buscou parceiros: a Leroy Merlin, que é cliente e também tem uma estrutura para temas socioambientais, como lembra Machado, e a Sinctronics, responsável por receberem os chuveiros antigos e reinserirem os materiais na cadeia produtiva. A empresa, especialista e referência na gestão de resíduos, fará a triagem, desmonte e separação de materiais. O Compra Sustentável trabalha com o conceito de economia circular – ou seja, o reaproveitamento de matéria-prima em ciclos contínuos, sem que haja lixo. A Sinctronics e a Duratex já receberam o Prêmio Eco da Amcham por seus cases de sustentabilidade.

Machado ressalta três principais elementos que ajudam as empresas a pensarem na logística reversa. Trabalhar setorialmente, pensar em possibilidades de logística e sinergia com parceiros e como fazer a reinserção desses produtos na cadeia produtiva. Para isso, é preciso conhecer muito bem qual é produto e o ciclo pós-consumo. “Cada negócio tem seu desafio. Pensar na sustentabilidade por setor é uma alternativa. É muito importante entender o comportamento do consumidor, o que pode viabilizar devolução de materiais. E temos que entender que esse processo tem que ser sustentável: entender como o resíduo pode se tornar uma oportunidade dentro do negócio, sendo criativo. Senão o projeto não consegue se manter, se não consigo trazer esse benefício da devolução do produto”, pontou.