Natal 2018: o que ficou mais barato que no Natal passado

Natal 2018: o que ficou mais barato que no Natal passado

Alexandre Cabral

24 Dezembro 2018 | 05h40

Chegamos ao Natal. Tempo de comemorar e presentear. Do último Natal para cá, o que mais subiu de preço e o que mais caiu? Montei uma lista de sugestões para presentes e para a ceia, com produtos que tiveram queda de preço em relação ao último festejo.

 

Foto: Divulgação/Colinas Shopping

 

Introdução

Antes de falar dos itens, quero explicar como foi feito o levantamento de preços. Peguei todas as variações no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) – que é a inflação oficial do governo federal. Usei especificamente o IPCA-15, que foi divulgado no dia 22/12. Para quem não sabe, o IPCA, calculado pelo IBGE, acompanha os preços dos 365 itens mais usados pelas famílias brasileiras.

 

Primeiro vamos falar dos preços dos presentes

Quais presentes ficaram mais baratos de um Natal para o outro?

a. Artigo de maquiagem (-14,29%): olha o batom como uma excelente opção de presente;

b. Perfume (-10,82%): boa oportunidade para o povo ficar cheiroso;

c. Produto para pele (- 9,93%): para tirar as rugas da sogra…;

d. Televisor (-8,20%): para poder acompanhar os jogos do Mengão. Se alguém falar em cheirinho, eu bloqueio kkkkk;

e. Agasalho feminino (-5,22%): dar casaco no verão? Qual o problema? É só esperar o frio, lá para maio, junho. Se morar em São Paulo, está arriscado a usar ainda em janeiro.

E tivemos mais quedas: CD e DVD (-2,58%), óculos sem grau (-1,95%), camisa masculina (-1,51%), sapato feminino (-1,34%), camisa infantil (-1,32%), bolsa (-1,30%), tênis (-0,82%), chocolate em barra (-0,50%, eu amo esse presente) e brinquedo (-0,34%).

Todos os demais itens que separei como sugestão de presente ficaram mais caros que no Natal de 2017. Entre eles, máquina fotográfica (+8,88%). Mas vale ressaltar que, hoje em dia, só compra máquina quem é fotógrafo profissional ou tem a fotografia como hobby. Os demais ficam bem só com a câmera do celular.

 

Agora vamos falar da ceia.

Meu sonho, nesses últimos 47 anos, é ter um Natal com churrasco, mas a minha família nunca quis. Então, vamos ao que você pode comprar, gastando menos que no Natal passado:

a. Alho (-11,95%): provavelmente em alguma comida você vai usar. Eu particularmente amo alho, poderia usar em quase tudo;

b. Camarão (-7,91%): não costumo ver no Natal, mas, já que os preços baixaram, quem sabe é hora de inovar?;

c. Café moído (-7,72%) e açúcar refinado (-7,63%): itens fundamentais na manhã seguinte à ceia, quando a ressaca bate forte;

d. Limão (-6,61%): muito útil para a comida e para uma possível caipirinha. No meu caso, serve para colocar na água com gás e muito gelo, já que não tomo cerveja e nem refrigerante;

e. Feijão Preto (-5,45%). O que? Feijão preto no Natal? Simmmm! Como bom carioca, amo feijão com macarrão, feijão com strogonoff – cheguei a salivar agora….

Vários outros preços baixaram e eu poderia escrever um texto gigante. Mas vou apenas citar mais alguns itens de extrema importância para essa época de festas: ovo (-3,67%), carne de porco (-2,39%), leite de coco (-2,18%), cerveja (-1,80%), vinagre (-1,18%), azeitona (-0,24%) e linguiça (-0,17%).

Por outro lado, alguns produtos que também costumam ser usados no fim do ano tiveram alta nos preços: leite condensado (+0,77%), manteiga (+1,51%), suco de frutas (+1,77%), peixe (+2,40%) e sal (+6,88%).

 

Então, para resumir, deixo aqui minhas sugestões:

Presentes: para a sogra, produtos para a pele (-9,93%). Para o sogro, um perfume (-10,82%). Para a patroa, artigos de maquiagem (-14,29%), para ficar mais lindona do que já é – aqui em casa, quando ela ler esse trecho, vai falar: “o que você está querendo?”. E tenho certeza de que isso acontece em vários lares kkkk.

Para as crianças, algum brinquedo (-0,34%). E, para mim, como sou gordinho, poderiam dar de presente um abacate (-22,47%), já que gosto muito e, entre todos os itens acompanhados pelo IPCA, foi o que teve maior queda de preço nesses últimos 12 meses.

Sobre comida e bebida: algo com camarão (-7,91%), acrescenta feijão preto (-5,45%), coloca um ovo (-3,67%) e, para diferenciar, taca na receita também milho verde em conserva (-5,61%). Para a sobremesa, banana da terra (-12,71%), manga (-8,42) e sorvete (-4,48%). E, para finalizar, um café (-7,72%) com açúcar (-7,63).

 

Detalhe: não aparece, na lista de itens acompanhados pelo IPCA, a uva passa. Por que será? Porque até o IBGE deve reconhecer que ela não tem função na gastronomia. Pelo amor de Deus, me responde por que, entre  2 de janeiro e 30 de novembro, não temos esse produto nas nossas comidas e ela surge, do nada, em dezembro? Quem tiver a resposta, por favor, deixe nos comentários deste texto.

 

Conclusão

Esse foi apenas um texto leve para mostrar os itens cujos preços mais caíram de um ano para o outro. Não foi meu objetivo debater macroeconomia, nem ficar dando receita de comida. Detalhe: em alguns casos, o preço caiu, mas o produto continua caro, como o quilo do camarão.

 

Antes de terminar, uma última pergunta: quando você escuta a palavra “Natal”, o que vem à sua cabeça? À minha vêm amor, Jesus, carinho etc. Mas também aparecem: Especial do Roberto Carlos, panetone e Simone cantando “Então é Natal”.

Para meus leitores, um Feliz Natal e um 2019 com muita felicidade e esperança com a posse do novo governo.

 

Edição: Patrícia Monken