O que fazer com o seu dinheiro durante o processo de impeachment

O que fazer com o seu dinheiro durante o processo de impeachment

Alexandre Cabral

04 Dezembro 2015 | 17h01

É, caro leitor, a casa caiu. A Dilma vai passar por um processo de impeachment que pode durar seis meses, ou até mais do que isso. E você pensando: o que posso fazer com o meu dinheiro nesse momento? Vamos pensar juntos:

– Caderneta de poupança: Saca logo isso, o rendimento está horroroso, algo próximo de 0,70% ao mês. Por que ficar nela? Só se estiver afim de possuir um rendimento ruim.

– Título prefixado: São títulos que eu, ao aplicar, já sei o rendimento antecipado (12% ao ano por exemplo). Se possui fica, porque se pedir resgate agora pode perder dinheiro, já que existe uma expectativa de os juros subirem e o banco vai querer comprar a favor dele.

Vamos a um exemplo: comprei um título remunerado a 12% ao ano e, quando vendo para o banco, tenho que fazer por 13% ao ano o rendimento a favor do banco, portanto existe uma chance – que vai depender de alguns detalhes, como há quanto tempo o dinheiro está aplicado – de perder dinheiro. Resumindo: se não tiver emergência, deixa por lá. E sobre aplicar, pode ser um bom produto, mas não se esqueça que resgatar antes do vencimento pode dar prejuízo ou resultar em um rendimento menor.

moedas_BLOG

Veja quais investimentos podem ser mais rentáveis nos próximos seis meses

– Título pós-fixado indexado à taxa Selic: tem um título emitido pelo governo conhecido como Tesouro Selic? Excelente aplicação. Por quê? Nesse momento, o rendimento é de 0,84% ao mês. Quanto mais tempo o dinheiro ficar aplicado, menor o imposto de renda, portanto maior o rendimento. Não esquecendo que a liquidez é quase diária, isto é, pede-se o resgate hoje e recebe-se amanhã. É um dos melhores títulos para quem deseja bom rendimento com liquidez.

– Título pós-fixado indexado à taxa CDI: dois títulos que se destacam são a LCI e a LCA, que facilmente dão rendimento líquido de 94% da taxa CDI – hoje em algo próximo de 1,04% ao mês. Porém, não se pode esquecer que esse título tem grande dificuldade de liquidez. Os bancos têm trabalhado com prazo de carência até o resgate de 6 meses ou mais, sendo que poucos dão liquidez em um período menor do que esse. Então, cuidado com a liquidez! Se precisar do dinheiro antes, não será possível resgatar.

– Título indexado à inflação: são excelentes títulos, a fina flor do mercado, mas no Tesouro Direto o papel com vencimento mais curto é para 2019. Ou seja: é um investimento para o médio prazo e não se encaixa no período analisado neste artigo.

– Demais títulos: no caso de debêntures, também há problemas de prazo e principalmente de liquidez, pois há dificuldades para resgatar. No caso do CDB, os que estão com bons rendimentos estão com prazo maior do que 1 ano, e assim, também não se encaixam no período analisado.

Portanto, se você tiver dinheiro sobrando, pense com carinho em papéis pós-fixados indexados à taxa de juros, para passar sem problemas por esse período de turbulência que provavelmente enfrentaremos nas próximas semanas.

Mais conteúdo sobre:

investimentorenda fixaTesouro Direto