Onde aplicar os recursos do FGTS

Alexandre Cabral

14 de fevereiro de 2017 | 17h55

O governo anunciou oficialmente nesta terça-feira (14/02) o calendário de saques das contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Vou conversar com vocês sobre como investir esses recursos.

 

Introdução

O montante disponível para saque é de R$ 43,6 bilhões, pertencentes a aproximadamente 30,2 milhões de CPFs. A média disponível para saque é de R$ 1.444,00 por pessoa.

 

Primeiro, algumas explicações sobre modalidades de investimento.

Tesouro Direto: tipo de aplicação oferecida pelo Tesouro Nacional, disponível desde 2002 para pessoas físicas. Mais detalhes neste link:

http://infograficos.estadao.com.br/economia/tesouro-direto/

Títulos Privados: neste texto, cito 3 títulos de emissão privada – CDB (Certificado de Depósito Bancário), LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio). Todos eles são papeis de emissão bancária, protegidos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) até o limite de R$ 250 mil, incluindo valor aplicado mais juros. Isso quer dizer que, se a instituição financeira quebrar, você poderá reaver o seu dinheiro até esse limite de R$ 250 mil. Um cuidado que você, investidor, deve tomar é verificar se o título tem certificado CETIP, uma garantia de que o papel foi emitido por uma instituição financeira reconhecida pelo Banco Central e pela CETIP.

 

Vamos ver então o que acontece com o seu dinheiro, a depender da modalidade de investimento escolhida.

– Se você deixar o dinheiro no FGTS

Mantendo o dinheiro no FGTS, se você tiver R$ 1.000,00 hoje, deverá ter, em fevereiro de 2018, algo próximo de R$ 1.042,36. Isso, considerando a regra atual de remuneração do FGTS, que é TR + 3% ao ano. É um péssimo rendimento, comparado ao proporcionado por outras opções de aplicação.

Detalhe: o governo anunciou que vai distribuir aos trabalhadores o lucro que obtém com o FGTS, podendo chegar a um rendimento perto de 5% ao ano, mais TR, nos próximos meses. Nesse caso, o valor a receber em fevereiro de 2018 pularia dos R$ 1.042,36 resultantes de TR + 3%, para R$ 1.062,60. Mas essa medida ainda está sendo detalhada. Até uma definição mais precisa, prefiro considerar o modelo tradicional.

 

– Se aplicar na caderneta de poupança

Considerando os mesmos R$ 1.000,00 iniciais do item anterior, você terá, ao final de 12 meses, algo próximo de R$ 1.074,42. Rendimento melhor que o obtido com qualquer das simulações que consideram a manutenção do dinheiro no FGTS.

 

– Aplicando no Tesouro Selic

O título emitido pelo Tesouro Nacional garante como rendimento a Taxa Selic do período em que o dinheiro ficar aplicado + um percentual ao ano. Hoje esse percentual está em 0,06% ao ano. Para efeito de exemplo, vou considerar os seguintes números: taxa de custódia cobrada pela BM&Fovespa de 0,30% ao ano; taxa cobrada pela corretora de 0,10% ao ano; Imposto de Renda de 17,5%; e Taxa Selic projetada de 10,55% ao ano. Neste cenário, os R$ 1.000,00 aplicados em fevereiro de 2017 resultarão, ao final de 12 meses, em um valor líquido de R$ 1.083,16. É, portanto, melhor investimento que o FGTS e a poupança.

Importante ressaltar: para quem possui na conta inativa do FGTS menos de R$ 5 mil, a melhor opção de investimento hoje é o Tesouro Selic.

 

Se você possui R$ 5.000,00 ou mais, existem outras opções. São elas:

– LCI ou LCA

Emitidos pelos bancos, esses títulos são isentos de Imposto de Renda e têm vários vencimentos e rendimentos diferentes, dependendo do emissor. No momento em que escrevo este texto, o rendimento médio estava na casa de 90% do CDI*. Assim, em um ano de aplicação, o resultado líquido, para quem investiu R$ 5.000,00, será de R$ 5.472,35.

 

CDB – Certificado de Depósito Bancário

Nesta modalidade de título, emitido pelos bancos, o investidor paga Imposto de Renda sobre o rendimento obtido. Aplicando os mesmos R$ 5 mil do exemplo anterior e considerando o cenário atual de taxas de 10,90% ao ano no papel prefixado e de 108% do CDI no título pós-fixado, o investidor conseguiria, ao final de 12 meses, um resultado líquido de R$ 5.449,63 no pré e de R$ 5.471,92 no pós .

 

Então podemos dizer que, dependendo do valor a ser aplicado, existem opções mais ou menos interessantes. Para resumir, considerando o cenário atual, valem as recomendações a seguir (lembrando que todas as simulações são para aplicações com prazo de 1 ano).

Se você vai aplicar menos de R$ 5.000,00, as melhores opções de investimento hoje são: (os exemplos numéricos a seguir consideram uma aplicação inicial de R$ 4 mil)

Tesouro Selic: resultado final de R$ 4.332,64 para quem aplicar R$ 4.000,00

Poupança: resultado final de R$ 4.297,67 para quem aplicar R$ 4.000,00

FGTS: resultado final de R$ 4.169,44 para quem aplicar R$ 4.000,00

 

A partir de R$ 5.000,00 , as melhores opções de aplicação hoje são: (os exemplos numéricos a seguir consideram uma aplicação inicial de R$ 5 mil)

LCI ou LCA: resultado final de R$ 5.472,35 para quem aplicar R$ 5.000,00

CDB Pós-fixado indexado ao CDI: resultado final de R$ 5.471,92 para quem aplicar R$ 5.000,00

CDB Prefixado: resultado final de R$ 5.449,63 para quem aplicar R$ 5.000,00

Tesouro Selic: resultado final de R$ 5.415,80 para quem aplicar R$ 5.000,00

Poupança: resultado final de R$ 5.372,09 para quem aplicar R$ 5.000,00

FGTS: resultado final de R$ 5.211,80 para quem aplicar R$ 5.000,00

 

Detalhe: eu considerei, para efeito de exemplos numéricos, dados desta terça-feira (14/02) no mercado financeiro.

 

Conclusão

Não deixe o seu dinheiro depositado no FGTS, pois terá um péssimo rendimento. Repare que essa modalidade perdeu em todas as simulações que eu fiz. Mas não se esqueça de que esses recursos são a sua poupança. Ao sacar, primeiro pague as suas dívidas, que provavelmente sofrem incidência de taxas muito mais altas que aquelas que você irá receber nas aplicações (como 430% ao ano no cartão de crédito, ou mais de 150% ao ano no cheque especial). Só depois de quitar tudo é que você deve pensar em fazer aplicações.

Outra coisa que você deve ter em mente é que o FGTS é uma poupança forçada que o governo faz em seu nome. Considerando que você agora tem acesso a esses recursos, evite usá-los para consumo. Se não tiver dívidas, faça aplicações e pense em formar uma poupança para quando chegar a aposentadoria ou para o caso de surgirem imprevistos, como desemprego ou doença. POR FAVOR, EVITE CONSUMIR SEM PROPÓSITO, POIS NÃO ESTAMOS EM PERÍODO DE BONANÇA.

 

Agradecimento

Quero agradecer ao Maurillo Neves ao me ajudar com informações sobre algumas taxas negociadas hoje (14/02).

 

* Estava escrito “90% ao ano” e o correto é “90% do CDI”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: