Uma união que vai gerar frutos: Jovens + Mercado Financeiro

Alexandre Cabral

23 Novembro 2016 | 17h27

Grupos de jovens se reúnem em várias universidades pelo Brasil afora, com um mesmo propósito: conhecer melhor o mercado financeiro.

 

Meu problema na época de universitário

Antes de escrever este texto, preciso voltar no tempo e lembrar a seguinte história: quando resolvi estudar Economia, lá pelos anos 80, tinha em mente que queria trabalhar com bolsa de valores, apesar de não saber direito o que era isso. Quando passei no vestibular, escolhi estudar na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), onde tive apenas uma matéria de finanças interessante, que era Matemática Financeira. Todas as demais disciplinas eram meramente teóricas. Para ganhar conhecimento, fui fazer cursos extracurriculares na Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) e na FGV (Fundação Getúlio Vargas). E eu vejo que, atualmente,  atitudes como a minha ainda permanecem bem frequentes. Só que os alunos de hoje têm por hábito se unir para estudar. E este é o foco deste texto.

 

Começo de um projeto

Em várias universidades, alunos sentiram vontade e necessidade de conhecer melhor o mercado financeiro e sua importância para a economia. Queriam saber, por exemplo, como as notícias influenciam o dia a dia do País, como tomar decisões de investimento, entre outras questões. Afinal, o mercado financeiro é um universo fascinante, que movimenta bilhões de dólares diariamente, mundo afora. E qual foi a solução que esses estudantes encontraram? Criaram a “Liga do Mercado Financeiro”, que reúne associações de alunos com o objetivo de estudar o tema.

A partir daí, várias Ligas foram surgindo em várias partes do País: uma em Araraquara (SP), outra em São José dos Campos (SP), mais uma em Belo Horizonte (MG), em São Paulo (SP), Niterói (RJ), Maringá (PR), entre outros locais. Hoje já temos mais de 30 Ligas, das quais participam 334 pessoas, com idades entre 17 e 34 anos, interessadas em aprender sobre o mercado financeiro.  Infelizmente ainda é um ambiente majoritariamente masculino, com 254 homens (76% do total) e apenas 80 mulheres (24%). Um dado curioso é que, conversando com esses jovens, se descobre que eles vêm das mais diversas áreas de conhecimento, extrapolando as tradicionais Economia e Administração. Há estudantes, por exemplo, de Direito e até de Engenharia Aeroespacial, dentre muitos outros cursos.

Do total de alunos, apenas 18% já trabalharam no mercado financeiro. Os outros 82% nunca tiveram essa experiência e compõem o grupo movidos pelo interesse em conhecer esse universo tão peculiar, com muita garra e vontade de aprender.

 

O projeto continua crescendo

Em 2016, foi criado o Conselho Nacional de Ligas do Mercado Financeiro, que é a Liga das Ligas, uma central única. O objetivo geral é debater, entre os seus associados espalhados pelo Brasil, não apenas a dinâmica do mercado financeiro, mas também temas como: finanças pessoais, psicologia do investidor, tecnologia para melhor pensar o futuro das negociações financeiras, entre outros.

 

O projeto cresceu mais ainda.

O lançamento nacional aconteceu no primeiro semestre deste ano. No próximo dia 26/11, será realizada a Conferência Nacional das Ligas do Mercado Financeiro, na qual 11 palestrantes abordarão temas como:

a. Carreiras: como uma pessoa pode se preparar para entrar no mercado financeiro.

b. Empreendedorismo: como as instituições estão se adaptando à rápida mudança de comportamento do consumidor. O que pensam e como estão agindo.

c. Inovações e Tecnologia: como o mercado financeiro está reagindo e se adaptando à crescente busca dos investidores por agilidade. Tecnologias para acelerar a negociação, bancos sem agências (os famosos bancos digitais), como essas novas ferramentas estão influenciando a relação entre cliente e instituição financeira.

d.Como pensar o Brasil pós-impeachment: seremos 4 economistas debatendo esse tema, para falar um pouco do passado, apontar erros e acertos e discutir como pensar no amanhã. Entre os assuntos que serão abordados estão: a PEC 55, a Reforma da Previdência e o efeito Trump.

 

 

Conclusão

Alunos se uniram com um objetivo único: entender como funciona o mercado financeiro. E esse projeto com certeza vai dar muito certo. Os estudantes serão eternamente lembrados como:

“alunos que estão formando uma base sólida de conhecimento na área, com muito estudo e  muita garra. São pessoas que, com certeza, vão mudar o mercado financeiro brasileiro nos próximos anos”.

Mais para frente, podem me cobrar sobre essa previsão.

 

Dedico este texto a todos os alunos envolvidos no projeto. Mas quero dar destaque especial a dois deles: Ângelo Nieves, vice-presidente, que conheci dando aula e que virou um amigo, e Diego Bomfim, presidente do Conselho Nacional das Ligas.