finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ações da Apple têm forte queda após decepção com novos iPhone

Estadão

11 de setembro de 2013 | 12h09

Álvaro Campos

As ações da Apple operam em forte queda nesta quarta-feira, 11, após o lançamento de dois novos modelos do iPhone. Além de boa parte das novidades ter vazado antes do lançamento e já estarem precificadas, analistas acreditam que a estratégia de preços da companhia não é favorável. Por volta das 11h55 (de Brasília), as ações da Apple recuavam 5,71% na Nasdaq, a US$ 466,45.

Pelo menos três estrategistas reduziram as recomendações para a Apple. UBS, Bank of America Merrill Lynch e Credit Suisse cortaram suas avaliações para “neutro”, de “comprar”. A fabricante do iPhone lançou dois novos modelos do aparelho, o 5C, uma versão mais popular para tentar atrair outra classe de consumidores, e o 5S, que tem uma tecnologia ponta de linha, mas não traz nenhum aspecto realmente inovador. A falta de novidades assusta os analistas, já que a Apple vem perdendo participação de mercado nos últimos meses, principalmente para smartphones da Samsung e aparelhos que usam o sistema operacional Android, do Google.

A grande preocupação com o iPhone 5C é a questão do preço. Nos EUA, o aparelho sai por US$ 99,00 para clientes com um contrato de pelo menos dois anos com uma das operadoras de telefonia com quem a Apple tem parceria. Sem esse contrato com a operadora, o preço salta para US$ 549,00. Analistas também esperavam que a companhia anunciasse um acordo com a China Mobile, que permitiria vender seus aparelhos a preços menores para quase 700 milhões de assinantes na China. Sem essa parceria, o preço do 5C na China será de US$ 733,00.

“Nós continuamos desapontados com a decisão da Apple de continuar cobrando um prêmio por seus smartphones. Isso expõe a companhia à competitividade”, afirmam em nota os analistas do Credit Suisse. Segundo eles, o iPhone 5S tem mais mudanças “evolucionárias” do que “revolucionárias”. Além disso, o modelo mais barato poderia canibalizar as vendas do aparelho mais sofisticado. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:

appleiPhone

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: