Em dia de disparada, dólar fecha na maior cotação desde março de 2009

Estadão

21 de agosto de 2013 | 15h40

Texto atualizado às 17h05

SÃO PAULO – Em dia de disparada, o dólar à vista no balcão fechou esta quarta-feira, 21, cotado a R$ 2,436, em alta de 1,75%. Esse é o maior patamar de fechamento desde 2 de março de 2009.

A moeda oscilou entre a mínima de R$ 2,401 e a máxima R$ 2,451.

dólar renovou máximas ante o real e chegou ao patamar de R$ 2,45 após a divulgação da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano). No exterior, as moedas de países exportadores de commodities também foram pressionadas.

A ata do Fed, tão aguardada pelo mercado, deu poucos sinais sobre quando exatamente os estímulos à economia norte-americana serão retirados, com a redução do programa de compras de US$ 85 bilhões em bônus a cada mês.

“Uns poucos” participantes da reunião se mostraram favoráveis a começar essa redução logo e “uns poucos” pediram mais cautela. A ata dá a impressão de um comitê hesitante em tirar conclusões a partir dos próximos indicadores econômicos; os dirigentes do Fed também pareceram levemente mais pessimistas quanto à perspectiva da economia do que nas reuniões anteriores.

O dólar à vista já subiu pouco mais de 6% ante o real em agosto e acumula uma valorização superior a 19% em 2013. Segundo alguns agentes de mercado, por trás do forte ajuste da moeda ante o real há um claro movimento especulativo, que pega carona na tendência mundial de valorização da moeda dos EUA em meio aos sinais de recuperação da economia do país e nas fragilidades dos fundamentos do Brasil.

Leilões do BC e Tombini no Brasil

O Banco Central realizou dois leilões de rolagem de swap cambial, operação que equivale à venda de dólares no mercado futuro usada para conter a alta da moeda norte-americana.

Por volta de 10h30, o BC realizou o primeiro leilão e vendeu todos os 20 mil contratos de swap cambial anunciados com vencimento em 01/04/2014, totalizando US$ 987,9 milhões. Naquele horário, o dólar estava cotado a R$ 2,419 e, mesmo após a intervenção, continuou a subir.

Quase perto do fechamento do mercado, às 16h10, o BC realizou um segundo leilão, quando vendeu 35,6 mil contratos de swap cambial, com vencimento em 03/02/2014, no valor de US$ 1,774 bilhão. Ao todo, foram ofertados 40 mil contratos.

No mesmo horário, o presidente do BC, Alexandre Tombini, cancelou a viagem que faria hoje para os Estados Unidos, onde participaria de um simpósio até sábado, promovido pelo Federal Reserve Bank of Kansas City, em Wyoming. Segundo a assessoria do BC, Tombini decidiu ficar no Brasil para acompanhar, daqui, os mercados.

Tudo o que sabemos sobre:

dólar

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.