Após 2 dias sem pregão, bolsas de NY reabrem; Bovespa aprofunda a queda

Estadão

31 Outubro 2012 | 11h52

Texto atualizado às 14h

Danielle Chaves

NOVA YORK – As bolsas de Nova York reabriram nesta quarta-feira, após dois dias sem pregão, por conta do Furacão Sandy, que se transformou em tempestade extratropical após atingir o continente. Os mercados dos Estados Unidos iniciaram a sessão em alta, mas já inverteram o movimento. Por volta das 14h (de Brasília), Dow Jones tinha leve queda de 0,11%, Nasdaq recuava 0,57% e S&P 500 perdia 0,16%.

No mesmo horário, Walt Disney caía 2,18%, após anunciar que concordou em comprar por US$ 4,05 bilhões a Lucasfilm, empresa dona da franquia de filmes Star Wars. Já a Ford Motor, que anunciou ontem lucro e receita acima do esperado no terceiro trimestre deste ano, subia 6,21%.

Por outro lado, Facebook caía 3,52% em razão do vencimento de acordos de privilégio que agora permitirão que as ações emitidas na oferta pública inicial (IPO) de ações da empresa se tornem disponíveis para venda.

Na abertura, Wall Street recebeu suporte da Europa, onde as bolsas operavam em alta, ajudadas pela alta de 1,5% nas vendas no varejo da Alemanha em setembro, acima da previsão de aumento de 0,4%, e pelo avanço de 0,1% nos gastos do consumidor da França. Os dados contrabalançavam a taxa de desemprego recorde de 11,6% na zona do euro.

O movimento, contudo, não se manteve e a maioria dos indíces acionários europeus também opera em queda. Com destaque para Londres, que perde 0,91%.

Brasil

No mercado local, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) inverteu o sinal logo no início do pregão e opera em queda de 0,91%, aos 57.159 pontos. O Ibovespa é pressionado nesta manhã pela queda das ações da Petrobrás. O papel ON da petrolífera recua 3,05%, enquanto o PN tem perda de 2,79%.

As ações da TIM, empresa que divulgou balanço nesta terça, figuram entre as principais quedas do índice da bolsa paulista, com recuo de 3,29%.

No mercado de câmbio, o dólar opera estável, cotado a R$ 2,031. 

(Com informações da Dow Jones)

Mais conteúdo sobre:

Bovespa; bolsas; mercados; ações