Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Apple e rebaixamento da Espanha pressionam bolsas da Ásia

Yolanda Fordelone

19 de outubro de 2011 | 08h19

A maioria das principais bolsas de valores asiáticas fechou em alta nesta quarta-feira, mas o corte da nota de crédito da Espanha pela Moody’s manteve em xeque o apetite por risco do investidor.

O índice MSCI das ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão subia 1,51%.

O setor de tecnologia ganhava 0,75%, mas tinha desempenho abaixo dos outros setores do mercado. A confiança do investidor era pressionada por resultados decepcionantes da Apple, que afetavam fornecedores na Ásia, disse Garry Evans, diretor de estratégia global do HSBC.

As ações da Apple tombaram mais de 5%, abaixo de US$ 400, depois que a companhia anunciou uma rara falha nos resultados trimestrais, com as vendas do iPhone ficando abaixo das expectativas de Wall Street.

Em Tóquio, o índice Nikkei fechou em alta de 0,35%, com os resultados da Apple limitando as valorizações.

Também, a Moody’s cortou o rating da Espanha em dois pontos na terça-feira, dizendo que altos níveis de dívida nos setores bancário e corporativo deixam o país vulnerável a restrições de financiamento.

O índice de Seul subiu 0,93%. O mercado avançou 1,29% em Hong Kong e a bolsa de Taiwan recuou 0,08%, enquanto o índice referencial de Xangai perdeu 0,25%. Cingapura retrocedeu 0,16% e Sydney fechou com valorização de 0,64%.

Apesar do noticiário, as bolsa na Europa sustentam alta nesta manhã.  O motivo se deve principalmente às expectativas que se formam em torno da reunião de cúpula da União Europeia, neste domingo. Às 8h18, a Bolsa de Londres subia 0,92%, Frankfurt, 1,26%, Paris, 0,93%, e Madri, 0,69%.

(Por Chikako Mogi, da Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: