Bolsa de NY tem queda desanimada com reunião do G-20

Yolanda Fordelone

23 de setembro de 2011 | 11h11

A Bolsa de Nova York abriu em queda nesa sexta-feira, devido ao desapontamento dos investidores com os desdobramentos da reunião do G-20, em Washington. Os temores sobre a situação fiscal de bancos europeus também se intensificaram após a notícia que a Moody’s rebaixou o rating de oito bancos gregos.

Às 10h15 (de Brasília), o Dow Jones caía 0,55% e S&P 500, 00,8%. Nasdaq seguai tendência contrária e avançava 0,23%.

O G-20, que agrupa países avançados e em desenvolvimento, divulgou comunicado no qual se compromete a adotar ações “fortes e coordenadas” para estabilizar o sistema financeiro e ancorar o crescimento econômico. Em comunicado divulgado ao fim de um jantar dos ministros das Finanças do G-20 ontem, em Washington, o grupo diz que “tomará todas as medidas necessárias para preservar a estabilidade dos sistemas bancários e dos mercados financeiros”.

Na Grécia, a Moody’s rebaixou o rating dessas instituições em duas. National Bank of Greece, EFG Eurobank Ergasias, Alpha Bank, Piraeus Bank, Agricultural Bank of Greece e Attica Bank foram rebaixados de B3 para Caa2. Emporiki Bank of Greece General Bank of Greece tiveram suas notas reduzidas de B1 para B3. Os ratings de todos os bancos possuem perspectiva negativa.

Segundo a agência, o rebaixamento reflete a perspectiva de que os credores privados da Grécia podem registrar perdas econômicas substanciais nos bônus do governo grego que possuem, além dos termos da atual troca de dívida proposta, especificamente se houver “qualquer possível desdobramento desfavorável relacionado a implementação do segundo pacote de socorro de € 109 bilhões” da Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI).

Mais cedo, o ministro de Finanças da Grécia, Evangelos Venizelos, serem contraproducentes informações distribuídas na mídia sugerindo que o país avalia um default programado, com perdas de 50% aos credores. Embora não tenha negado diretamente, Evangelos Venizelos reafirmou o compromisso da Grécia de atingir as metas de déficit e dar prosseguimento a uma agenda ambiciosa de reformas, como o prometido a seus parceiros europeus.

Diante de uma agenda de indicadores econômicos vazia, o destaque no cenário local é a aprovação pela Câmara dos Representantes dos EUA, na madrugada de hoje, por 219 votos a 203, de um projeto de financiamento de curto prazo do governo federal que recria o impasse com o Senado controlado pelos Democratas e reacende a ameaça de fechamento dos órgãos públicos federais.

O projeto agora será enviado ao Senado, onde os líderes democratas já prometeram rejeitá-lo. O texto amplia o financiamento do governo federal até meados de novembro, mas também corta a verba de dois programas de energia alternativa apoiados pelos Democratas.  As informações são da Dow Jones.

(Clarissa Mangueira, da Agência Estado)

Leia tudo sobre os mercados financeiros e a crise econômica nos Estados Unidos e Europa

Tudo o que sabemos sobre:

bolsanova york

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.