finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas asiáticas apresentam recuo acentuado

Yolanda Fordelone

20 de outubro de 2011 | 07h54

As Bolsas da Ásia fecharam no campo negativo. A queda em Wall Street e a ausência de perspectiva de solução para a crise da dívida europeia influenciaram o sentimento dos investidores, que também reagiram aos fatores locais.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong, influenciada ainda pelas preocupações sobre a adoção de medidas de aperto monetário na China. O índice Hang Seng perdeu 1,8% e terminou aos 17.983,10 pontos. Esprit teve queda de 7,8%. Li & Fung recuou 2,8%.

A Bolsa de Tóquio fechou em queda, uma vez que a incerteza em relação às possibilidades de uma solução para a crise da dívida europeia afetou as ações de companhias exportadoras, como a Honda, enquanto o ressurgimento das preocupações com as enchentes na Tailândia prejudicou os papéis de empresas ligadas ao segmento de drives de discos rígidos, como TDK e Showa. O índice Nikkei 225 caiu 90,39 pontos, ou 1%, para 8.682,15 pontos.

Na China, os mercados fecharam no menor nível em 31 meses, por causa das preocupações sobre uma potencial crise de liquidez relacionada com novas ofertas de ações, adicionada às vendas no setor de recursos naturais em virtude da queda das commodities. O índice Xangai Composto baixou 1,9% e terminou aos 2.331,37 pontos, o pior fechamento desde 25 de março de 2009. O índice Shenzhen Composto caiu 2,9% e encerrou aos 974,85 pontos. Yanzhou Coal Mining perdeu 4,2%, Jiangxi Copper deslizou 4,4% e Chalco recuou 2,7%.

As informações são da Dow Jones

(Hélio Barboza e Ricardo Criez, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: