finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas asiáticas encerram em queda

Estadão

31 de outubro de 2011 | 10h37

As Bolsas da Ásia fecharam no campo negativo nesta segunda-feira. A baixa no último dia do mês foi causada pela realização de lucros, após os fortes ganhos verificados na semana passada, e pela cautela dos investidores sobre os efeitos do plano da União Europeia para resgatar a dívida da Grécia. Não houve negociações nas Filipinas por ser feriado.

A Bolsa de Tóquio fechou em queda, a despeito do acentuado enfraquecimento do iene que se seguiu à intervenção do governo japonês nos mercados de câmbio. Os ganhos se mostraram temporários, com os exportadores sensíveis à moeda, como Canon e Nikon, juntando-se às ações influenciadas por balanços, como Daiichi Sankyo, e pressionando para baixo os principais índices da bolsa. O índice Nikkei 225 fechou em queda de 62,08 pontos, ou 0,7%, para 8.988,39 pontos.

A Bolsa de Hong Kong encerrou seis ralis seguidos de alta, também em virtude do fortalecimento do dólar em relação ao iene. O índice Hang Seng caiu 154,37 pontos, ou 0,8%, e fechou aos 19.864,87 pontos – no mês, entretanto, o mercado acumulou alta de 12,9%, o melhor desempenho mensal desde maio de 2009.

Já a Bolsa de Xangai, na China, encerrou cinco sessões consecutivas de ganhos por conta do declínio nas ações de imobiliárias – no fim de semana, Pequim descartou relaxar as medidas de aperto no setor. O índice Xangai Composto caiu 0,2% e fechou aos 2.468,25 pontos – no mês, o índice apresentou ganhos de 4,6%, o primeiro resultado positivo em quatro meses. Por outro lado, o índice Shenzhen Composto ganhou 0,5% e encerrou aos 1.040,93 pontos, com alta em empresas de mídia e de publicidade.

Após seis pregões de alta, a Bolsa de Taipé, em Taiwan, fechou em ligeira queda. Os investidores realizaram lucros, depois dos ganhos de 0,6% na sessão da manhã. O índice Taiwan Weighted caiu 0,37% e terminou aos 7.587,69 pontos – mesmo assim, o índice encerrou outubro com elevação de 5%.

As vendas por parte de instituições locais derrubaram a Bolsa de Seul, na Coreia do Sul. O índice Kospi caiu 1,12% e terminou aos 1.909,03 pontos – no mês, contudo, o índice teve elevação de 8%.

Na Bolsa de Sydney, na Austrália, os investidores mostraram-se ansiosos para proteger seus ganhos e adotaram cautela. O S&P/ASX 200 perdeu 1,3% e encerrou aos 4.298,1 pontos – no entanto, no mês, o índice acumulou alta de 7,2%, o maior ganho mensal desde julho de 2009.

A Bolsa de Cingapura encerrou em baixa, com novas preocupações sobre a economia dos EUA. Investidores voltam suas atenções agora aos números do mercado de trabalho, a serem divulgados sexta-feira. O índice Straits Times caiu 1,7% e fechou aos 2.855,77 pontos.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, recuou 1,0% e fechou aos 3.790,85 pontos, com realização de lucros.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, subiu 0,18% e fechou aos 974,93 pontos.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, subiu 0,7% e fechou aos 1.491,89 pontos, após o banco britânico Barclays divulgar lucro melhor que o esperado no terceiro trimestre, estimulando compras de investidores locais. As informações são da Dow Jones.

(Hélio Barboza e Ricardo Criez, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

ÁsiabolsasChinahong kongtóquio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.