Bolsas asiáticas fecham em baixa com temor sobre o ‘abismo fiscal’

Estadão

28 de novembro de 2012 | 08h33

André Lachini e Lucas Hirata

TÓQUIO – As bolsas de valores da Ásia fecharam em queda nesta quarta-feira, após os temores com o chamado “abismo fiscal” nos Estados Unidos tomarem conta da região. Na China, o índice Xangai Composto apresentou mais uma baixa histórica. Já os mercados acionários de Taiwan e das Filipinas foram exceções e terminaram o pregão em alta devido a operações e medidas locais.

As preocupações a respeito do “abismo fiscal” aumentam a demanda por dólares. “O temor de que não seja fechado um acordo até o final do ano sobre o orçamento dos EUA aumenta a procura por ativos mais seguros”, disse um trader em Xangai.

A Bolsa de Valores de Hong Kong fechou com queda de 0,6% no índice Hang Seng (HSI), aos 21.708,98 pontos. Na Coreia do Sul, o índice Kospi encerrou o dia em queda de 0,65% aos 1.912,78 pontos.

Já o mercado australiano teve uma leve queda devido às preocupações renovadas com o “abismo fiscal” nos EUA. O índice S&P/ASX 200 caiu 0,2%, para 4.447,30 pontos, após ter chegado a cair 0,5% durante o pregão. O sentimento de aversão ao risco teve efeito sobre as ações das mineradoras: a Rio Tinto caiu 1,9% e a BHP Billiton registrou declínio de 0,6%. O volume de ações negociadas ficou em 3,4 bilhões de dólares australianos (US$ 3,6 bilhões), bem abaixo da média de setembro, de 4,1 bilhões de dólares australianos diários.

Na China, o índice Xangai Composto fechou abaixo dos 2.000 pontos e atingiu seu menor nível em mais de quatro anos, com queda de 0,9%, para 1.973,52 pontos, pressionado para baixo pela falta de medidas políticas que estimulassem os investidores a continuar vendendo. Preocupações com um possível excesso de ações, fracos rendimentos corporativos e um choque de liquidez que se antecipou ao fim do ano por causa da temporada de feriados também causaram perdas no mercado. O índice Shenzhen Composto também apresentou queda, de 1,9%, fechando aos 750,97 pontos.

A Bolsa de Manila, nas Filipinas, apresentou uma nova máxima recorde nesta quarta-feira, com alta de 0,9%, para 5.633,72 pontos, em razão do crescimento surpreendente de 7,1% no Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre ante o mesmo período do ano passado, que ajudou a afastar a pressão de baixa de outros mercados. Em Taiwan, a Bolsa de Taipé fechou em alta pela quinta sessão seguida, com ligeiro ganho de 0,1%, aos 7.434,93 pontos.

Na Índia, o mercado não operou porque hoje é feriado.

A Bolsa de Valores de Tóquio fechou em queda, após os investidores aproveitarem para realizar lucros com ações de empresas exportadoras japonesas, como Toyota e Fanuc, enquanto papéis das empresas de navegação como Nippon Yusen e as siderúrgicas também tiveram perdas, em parte por causa das projeções econômicas da China. O índice Nikkei cedeu 114,95 pontos (1,2%), para 9.308,35 pontos. O índice registrou sua maior perda porcentual desde 8 de novembro. O índice Topix perdeu 10,21 pontos (1,3%) e fechou aos 771,39 pontos, com 32 dos seus 33 subíndices fechando em terreno negativo. As informações são da Dow Jones.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.