Bolsas asiáticas fecham em queda com PMI da China e preocupações sobre Fed

Yolanda Fordelone

20 de junho de 2013 | 08h28

Lucas Hirata, da Agência Estado

TÓQUIO – Os mercados de ações da Ásia fecharam em queda nesta quinta-feira, em meio a preocupações na região sobre o crescimento econômico da China e a possível redução do programa de compra de bônus do Federal Reserve, dos EUA.

“Os emergentes da Ásia estão em situação complicada, entre a política monetária dos EUA e seus próprios problemas”, disse o chefe de ações asiáticas Angelo Corbetta, da Pioneer Investments. “E a maioria das balas de prata já foi usada.”

Os mercados da China recuaram acentuadamente nesta quinta-feira depois que o índice da atividade industrial do país caiu para o menor nível em nove meses. O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) preliminar medido pelo HSBC do setor industrial da China para junho ficou em 48,3, em comparação com a leitura final de 49,2 em maio. Qualquer pontuação abaixo de 50 indica uma contração na indústria.

O índice Hang Seng, de Hong Kong, caiu 2,9%, para 20.382,87 pontos. Na China continental, o índice Xangai Composto perdeu 2,8%, aos 2.084,02 pontos, o menor nível desde 13 de dezembro; e o índice Shenzhen Composto caiu 3,4%, para 942,06 pontos.

O impacto dos dados foi sentida mais longe, com o dólar australiano mergulhando para o menor nível em 33 meses após a divulgação do PMI. O índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, fechou em queda de 2,1%, aos 4.758,40 pontos, o maior recuo porcentual desde maio de 2012.

No Japão, o índice Nikkei caiu 230,64 pontos, ou 1,7%, para 13,014.58 pontos, anulando quase todos os ganhos da sessão anterior, quando avançou 1,8%.

Outro fator que também pesou sobre o sentimento dos investidores da China é o aperto de liquidez que tem deixado os bancos nacionais mais cautelosos sobre crédito. As taxas de empréstimos interbancários no país já chegaram a seu nível mais alto em dois anos.

Fonte: Dow Jones Newswires. 

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiabolsa

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.