Bolsas asiáticas iniciam semana em queda

Yolanda Fordelone

26 de setembro de 2011 | 08h03

As Bolsas da Ásia estenderam as perdas nesta segunda-feira, novamente por conta da crise da dívida soberana da Europa, em particular a possibilidade de calote da Grécia, e dos crescentes temores de uma redução do crescimento econômico global.

A Bolsa de Tóquio fechou com queda expressiva e o índice Nikkei 225 no menor nível dos últimos 29 meses, uma vez que “tradings” como Mitsubishi Corp., Sony e outras ações puxadas pela exportação foram golpeadas pelo temor de uma desaceleração econômica global e pelo enfraquecimento do euro. O Nikkei caiu 186,13 pontos, ou 2,2%, para 8.374,13 pontos, encerrando com a pontuação mais baixa desde 1º de abril de 2009.

Estes foram os fatores que fizeram a Bolsa de Hong Kong atingir o menor patamar em 28 meses. O índice Hang Seng caiu 261,03 pontos, ou 1,5%, e encerrou aos 17.407,80 pontos. A seguradora chinesa Ping An teve o pior desempenho entre as blue chips, ao perder 13,7%. Hong Kong Exchanges and Clearing baixou 4,1%, mas Li& Fung subiu 2,4%.

As Bolsas da China apresentaram o pior resultado em 14 meses. A presença de investidores em busca de ofertas de ocasião deu lugar às preocupações sobre a liquidez do mercado, em meio às notícias de que o grupo hidrelétrico Synohydro irá reduzir o tamanho de sua IPO. O índice Xangai Composto perdeu 1,6% e fechou aos 2.393,18 pontos, no menor fechamento desde 5 de julho de 2010. O índice Shenzhen Composto também perdeu 1,6% e terminou aos 1.043,47 pontos. Ping An recuou 9,6% e China Life caiu 3,8%. Entre as imobiliárias, China Vanke cedeu 3,4% e Poly Real Estate deslizou 4,3%. As informações são da Dow Jones.

(Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos)

Tudo o que sabemos sobre:

câmbiodólar

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.