Bolsas da Ásia apresentam alta após anúncio do BoJ

Estadão

19 de setembro de 2012 | 08h26

Antonio Rogério Cazzali e Ricardo Criez

TÓQUIO – A maioria dos mercados asiáticos fechou em alta nesta quarta-feira, estimulados pelo anúncio do Banco do Japão (BoJ) de flexibilização da economia, com a ampliação da compra de títulos.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong, que apresentou a maior pontuação em quatro meses e meio. O Hang Seng avançou 1,2% e terminou aos 20.841,91 pontos, no melhor fechamento desde 4 de maio. Entre as imobiliárias, Henderson Land escalou 1,7% e New World Development teve rali de 2,7%.

Já as Bolsas da China foram beneficiadas com a redução das tensões políticas entre China e Japão por causa da disputa territorial por ilhas no Mar da China Oriental. O Xangai Composto ganhou 0,4% e encerrou aos 2.067,83 pontos. O Shenzhen Composto subiu 0,7%, aos 865,73 pontos. Destaque para as companhias de alta tecnologia: Bright Oceans Inter-Telecom e Guomai Technologies atingiram a alta limite diária de 10%.

A Bolsa de Tóquio fechou em alta acentuada nesta quarta-feira. A decisão do BoJ de flexibilizar a economia surpreendeu o mercado. Ações relacionadas a commodities, como Nippon Yusen, tiveram forte elevação, enquanto Japan Airlines (JAL) apresentou uma bem sucedida estreia, superando o preço de sua IPO.

O Nikkei subiu 108,44 pontos, ou 1,2%, e terminou aos 9.232,21 pontos, após queda de 0,4% na sessão de terça-feira – foi o melhor fechamento desde 2 de maio. O volume de negociações foi forte, subindo para 2,07 bilhões de ações – pela segunda vez, em três pregões, acima dos 2 bilhões de ações.

A maior parte do aumento da participação dos investidores veio na sessão da tarde, após o BoJ anunciar que iria expandir seu plano de compra de ativos de 70 trilhões de ienes para 80 trilhões de ienes.

“A agressividade do banco central foi surpreendente”, disse Nicholas Smith, estrategista de ações da CLSA, ao observar que apenas alguns economistas esperavam um movimento favorável do BoJ. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiaBoJChinahong kongtóquio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.