Bolsas da Ásia apresentam sinais mistos; Xangai recupera 0,9%

Estadão

28 de agosto de 2012 | 08h11

Antonio Rogério Cazzali, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos

TÓQUIO – Os mercados asiáticos fecharam sem tendência definida nesta terça-feira. A Bolsa de Hong Kong terminou estável, em linha com a maioria de sua sessão. Os investidores andaram de lado, à espera das declarações do presidente do Fed, Ben Bernanke, na sexta-feira. O Hang Seng subiu apenas 13,13 pontos e terminou aos 19.811,80 pontos. Want Want China teve o melhor desempenho entre as blue chip, com rali de 2,9%.

Depois de apresentar na véspera o pior resultado em mais de três anos e meio, as Bolsas da China se recuperaram. Os ganhos em várias blue chips levantaram o mercado, apesar da perspectiva sombria sobre a desaceleração da economia doméstica. O Xangai Composto subiu 0,9% e terminou aos 2.073,15 pontos. O Shenzhen Composto avançou 0,4%, aos 856,09 pontos. Baoshan Iron & Steel liderou os ganhos, com a alta limite diária de 10%. Petro China ganhou 2,1%.

A Bolsa de Tóquio fechou em queda nesta terça-feira, com a renovada valorização do iene. Os investidores equilibraram a cautela sobre o crescimento global com as esperanças de que o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Ben Bernanke, irá dar sinais de mais medidas de flexibilização na sexta-feira.

O Nikkei perdeu 52,10 pontos, ou 0,6%, e terminou aos 9.033,29 pontos, após alta de 0,2% na sessão de segunda-feira.

“No geral, a cautela esteve forte no mercado, à espera do discurso de Bernanke e de vários indicadores econômicos dos EUA” previstos para serem anunciados nesta semana, disse Yoshihiro Ito, estrategista-chefe da Okasan Online Securities.

Entre os indicadores econômicos norte-americanos previstos para serem apresentados no final do dia global de hoje estão o Case-Shiller Home de junho e os dados de confiança do consumidor de agosto. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiabolsaChinahong kongtóquio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.