Bolsas da Ásia caem com temor sobre Europa

Yolanda Fordelone

16 de abril de 2012 | 08h23

As Bolsas da Ásia fecharam em baixa, uma vez que o salto nos custos dos empréstimos nas Espanha manteve os problemas fiscais na Europa no foco, com muitos papéis do setores financeiro e de commodities caindo fortemente na região. Também pesou o anúncio do Banco do Povo da China de dobrar para 1% a banda de flutuação do yuan frente o dólar em relação à taxa de referência diária.

O Nikkei perdeu 167,35 pontos, ou 1,7%, e terminou aos 9.470,64 pontos, após alta de 1,2% na sessão de sexta-feira. Foi a pior perda porcentual do índice desde 4 de abril. Também foi o 11º declínio nos últimos 14 pregões. O volume de negociações recuou para 1,52 bilhão de ações, o menor desde 16 de janeiro.

A Bolsa de Hong Kong terminou em baixa, seguindo os declínios no Ocidente, acompanhando os fracos dados econômicos da China e novas preocupações com os problemas de dívidas soberanas na Europa. O índice Hang Seng caiu 0,44% e encerrou aos 20.610,64 pontos. Os papéis do setor financeiro lideraram as baixas, acompanhando recuo de ICBC depois de o Goldman Sachs cortar seu investimento na instituição. ICBC recuou 0,8%, Bank of China perdeu 1,2% e Bank of Communications cedeu 0,7%. Outras baixas: Cnooc -1,0%, PetroChina -0,4% e Angang Steel -2,7%.

As Bolsas da China fecharam praticamente estáveis, com viés para baixo. A fraqueza nos mercados externos e as crescentes preocupações sobre a desaceleração da economia doméstica pesaram no mercado. As esperanças de uma política de flexibilização interromperam as perdas. O índice Xangai Composto caiu apenas 0,1% e terminou aos 2.357,16 pontos. O índice Shenzhen Composto perdeu 0,2% e encerrou aos 949,23 pontos. Os produtores não ferrosos caíram com as fracas perspectivas: Aluminum Corp of China baixou 0,6% e Jiangxi Copper deslizou 1,3%.

O yuan caiu ante o dólar em meio a crescente volatilidade na primeira sessão desde que o Banco do Povo permitiu ampliar a banda de flutuação sobre a moeda americana. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,3150 yuans, de 6,3030 yuans sexta-feira. A moeda chinesa recuou pelo menos 0,46% sobre a taxa de referência diária, mas freou suas perdas mais tarde uma vez que o yuan acompanhou a condução do banco central para apenas uma suave desvalorização. A taxa de paridade central dólar-yuan foi fixada em 6,2960 yuans, de 6,2879 yuans sexta-feira,

A Bolsa de Taiwan fechou em baixa de 0,75%, aos 7.729,86 pontos, acompanhando a fragilidade dos mercados nos EUA e na Ásia, em meio às preocupações com a economia global. A realização de lucros em ações de empresas peso pesado, após o rali de sexta-feira com a incerteza sobre a remoção de impostos sobre o ganho de capital, também pesou. As ações do segmento de tecnologia caíram. TPK, HTC e Epistar perderam, respectivamente, 1,2%, 2,8% e 3,7%.

As informações são da Dow Jones.

(Antonio Rogério Cazzali, Ricardo Criez e Carlos Mercuri, da Agência Estado)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.