Bolsas da Ásia fecham em alta após acordo europeu

Mariana Congo

29 de junho de 2012 | 08h21

Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado

TÓQUIO – Os mercados asiáticos encerraram a semana e o mês no campo positivo. Nesta sexta-feira, os investidores da região reagiram com otimismo aos passos tomados pelos líderes da União Europeia para combater a crise da dívida na zona do euro e os problemas no sistema bancário.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong. o Hang Seng avançou 2,2% e terminou aos 19.441,46 pontos – na semana, o índice acumulou ganhos de 2,3%. No segundo trimestre, contudo, as perdas foram de 5,4% com os temores sobre a Europa. Entre as blue chips, Sino Land subiu 3%, Want Want China adicionou 4,6% e Shenhua Energy escalou 3,2%.

Pelos mesmos motivos, as Bolsas da China também tiveram alta acentuada. O mercado, que estava fraco, se aqueceu com o anúncio do acordo europeu. O Xangai Composto ganhou 1,4% e terminou aos 2.225,43 pontos, encerrando sete pregões seguidos de perdas – na semana, o índice teve baixa acumulada de 1,6%, mas no semestre apresenta alta de 1,2%. O Shenzhen Composto subiu 1,3%, aos 921,40 pontos. Os setores bancário e de metais lideraram a alta. China Minsheng Banking saltou 2%. Inner Mongolia Baotou Steel Rare Earth disparou 4%.

A Bolsa de Tóquio estendeu os ganhos nesta sexta-feira, com nova alta acentuada. Depois de abrir em baixa e sofrer com a realização de lucros, o Nikkei finalizou acima dos 9 mil pontos, após os líderes da União Europeia anunciarem que o fundo de resgate permanente da região poderá ser usado para a recapitalização dos bancos. Isso fez o euro se valorizar em relação ao iene e alavancou o índice nipônico.

O Nikkei ganhou 132,67 pontos, ou 1,5%, e terminou aos 9.006,78 pontos, após subir 1,7% na sessão de quinta-feira – foi o terceiro pregão seguido de ganhos. O volume de negociações avançou para 1,99 bilhão de ações, o melhor resultado desde 8 de junho.

“Isso é um bom catalisador porque eliminou algumas preocupações, já que agora a Espanha poderá garantir uma ajuda financeira através de uma rede de segurança”, disse Masayuki Doshida, analista de mercado da Rakuten Securities, sobre o acordo na zona do euro.

“Contudo, não é uma solução fundamental para os problemas da dívida”, acrescentou o analista. Para ele, a possibilidade de ganhos adicionais no mercado acionário “vai depender do progresso que os políticos europeus serão capazes de fazer em outros temas sobre a mesa”, na reunião da UE que termina hoje em Bruxelas. As informações são da Dow Jones. 

 

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiabolsaChinahong kongtóquio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.