Bolsas da Ásia fecham em alta após declarações positivas sobre abismo fiscal

Estadão

29 de novembro de 2012 | 08h40

André Lachini e Lucas Hirata, da Agência Estado

TÓQUIO – As bolsas de valores da Ásia fecharam em terreno positivo nesta quinta-feira, após as declarações do presidente dos EUA, Barack Obama, de que o abismo fiscal deve ser evitado antes do Natal. Na China, porém, o índice Xangai Composto caiu para uma nova mínima em vários anos.

O índice Hang Seng, da bolsa de Hong Kong, subiu 1,0%, ou 213,91 pontos, e fechou com 21.922,89 pontos. O volume de transações totalizou US$ 7,03 bilhões, depois de US$ 6,04 bilhões na quarta-feira.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi da Bolsa de Seul fechou em alta expressiva de 1,15%, aos 1.934,85 pontos, puxada pelas ações de montadoras e empresas de construção naval. O avanço reflete “a visão do mercado de que a China pode ter acelerado a economia no terceiro trimestre, em meio a sinais de uma recuperação norte-americana”, disse o analista Kim Ki-young, da Hyundai Securities. As ações da Hyundai Motor subiram 2,7%, enquanto da Kia Motors avançaram 4,7%. Os papéis da Hyundai Heavy Industries ganharam 3,5%.

O índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, fechou em alta de 0,7%, aos 4.477,7 pontos, na máxima em três semanas.

Em Taiwan, a Bolsa de Taipé subiu 0,9%, para 7.503,55 pontos, em um dia de alto volume de transações, estimuladas pelas notícias dos EUA e pelo sentimento positivo dos investidores em relação aos fundos apoiados pelo governo.

A Bolsa de Manila fechou em nova alta com avanço de 0,1% no índice PSEi, para 5.640,45 pontos, com as blue chips estimulando os ganhos após o resultado surpreendente do crescimento de 7,1% no Produto Interno Bruto (PIB) da Tailândia no terceiro trimestre deste ano, ante o mesmo período do ano passado. O índice acumula um acréscimo de 4% no mês e de 29% no ano.

Na China, o índice Xangai Composto caiu pela quarta sessão seguida, com decréscimo de 0,5%, aos 1.963,49 pontos, o fechamento mais baixo desde 16 de janeiro de 2009, visto que os investidores venderam ações de empresas seguradoras devido à expectativa de fracos rendimentos resultantes das quedas no mercado acionário. As ações da Citic Securities caíram 4,4% e as da Haitong Securities, 5,9%. O índice Shenzhen Composto caiu 1,0%, para 743,43 pontos.

A Bolsa de Valores de Tóquio fechou em terreno positivo, enquanto o iene se manteve fraco, o que impulsionou as compras das ações de empresas exportadoras, como Honda Motor e TDK. O índice Nikkei avançou 92,53 pontos (1%), para 9.400,88 pontos. O índice Topix ganhou 8,05 pontos (1%), para 779,44 pontos, com 32 dos 33 subíndices em terreno positivo. O volume de vendas foi apagado e ficou em 1,84 bilhão de ações.

As ações das empresas exportadoras também foram ajudadas pela fraqueza relativa do iene. Os papéis da Honda Motor avançaram 2%, enquanto os da TDK tiveram alta de 2,4%. O cenário para as empresas japonesas, contudo, permanece difícil, dizem estrategistas locais. “Sem reestruturar as empresas para valorizar o lucro, meros aumentos de preços nas ações são ilusórios”, disse Hideyuki Ishiguro, supervisor de investimentos estratégicos na Okasan Securities. As informações são da Dow Jones.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.