Bolsas da Ásia fecham em alta com fator China

Estadão

28 de setembro de 2012 | 08h22

Antonio Rogério Cazzali e Ricardo Criez

TÓQUIO – Os mercados asiáticos fecharam a semana e o mês no campo positivo. Nesta sexta-feira, os investidores se pautaram pelas expectativas de boas notícias vindas da China e da zona do euro.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong, que fechou em ligeira alta estimulada pelos bons resultados nos mercados chineses e pelas esperanças de que Pequim irá adotar medidas de estímulo à economia durante o longo feriado da próxima semana. O Hang Seng ganhou 0,4% e encerrou aos 20.840,38 pontos – na semana, o índice apresentou alta de 0,5%. Entre as blue chips, Esprit recuperou 2,4%.

Na China, as Bolsas apresentaram forte alta pelo segundo pregão seguido, com os investidores mostrando apetite pelo risco, na expectativa de que as incertezas sobre a transição da liderança política do país serão logo eliminadas. O Xangai Composto subiu 1,5% e encerrou aos 2.086,17 pontos. O Shenzhen Composto ganhou 1,9%, aos 853,83 pontos. Entre as empresas de metais, Zhongjin Gold disparou 5,1% e Zijin Mining saltou 3,9%.

A Bolsa de Tóquio fechou em queda. O encerramento do primeiro semestre fiscal convidou os investidores à realização de lucros nas ações de exportadores e de papéis ligados à China, como Honda e Fanuc, à medida que as perspectivas do segundo semestre oferecem poucos motivos para otimismo imediato.

O Nikkei caiu 79,71 pontos, ou 0,9%, e terminou aos 8.870,16 pontos, após alta de 0,5% na sessão de quinta-feira – na semana, o índice acumulou perdas de 2,6%, mas no ano tem alta de 4,9%. O volume de negociações subiu para 1,76 bilhão de ações.

“Setembro não é tradicionalmente um bom mês para as ações, mas nós conseguimos puxá-lo ‘artificialmente’, por assim dizer, através das medidas de flexibilização adotadas pelos bancos centrais mundiais”, disse um diretor de negociação de ações de uma corretora estrangeira. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiabolsaChinatóquio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.