Bolsas da Ásia fecham em alta; Tóquio tem o melhor dia em três meses

Estadão

17 de agosto de 2012 | 08h25

Antonio Rogério Cazzali, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos

TÓQUIO – A exemplo da véspera, os mercados asiáticos fecharam o pregão desta sexta-feira com sinais variados.

Na Bolsa de Hong Kong, o Hang Seng subiu 0,8% e terminou aos 20.116,07 pontos – na semana, contudo, o índice teve ligeira queda de 0,1%. As declarações de apoio ao euro, feitas pela chanceler alemã Angela Merkel, ajudaram o sentimento do mercado, com os investidores focados em várias blue chips que apresentaram balanços. China Resources Enterprise saltou 11,2%. Tencent ganhou 1,5% e Lenovo avançou 5,2%.

Já a Bolsa de Xangai, na China, fechou com pouca variação, na ausência de novas informações sobre possíveis medidas para estimular a economia. A presença de investidores em busca de ofertas de ocasião em alguns bancos peso pesados ofuscou a fraqueza do mercado em geral. O Xangai Composto subiu apenas 0,1% e terminou aos 2.114,89 pontos. Por sua vez, o Shenzhen Composto perdeu 0,3%, aos 876,93 pontos. China Merchants Bank ganhou 1% e China Construction Bank teve alta de 0,3%.

A Bolsa de Tóquio fechou em alta acentuada nesta sexta-feira, na maior pontuação em três meses. Uma nova desvalorização do iene estimulou mais compras nas ações de exportadoras, com as blue chips orientadoras Fanuc, Kyocera e Honda Motor obtendo robustos ganhos.

O Nikkei adicionou 69,74 pontos, ou 0,8%, e terminou aos 9.162,50 pontos, após alta de 1,9% na sessão de quinta-feira – no intraday, o índice atingiu o maior nível desde 8 de maio.

Na semana, o Nikkei acumulou ganhos de 3%, fechando em alta pela terceira semana seguida, com elevação de 7% no período. O volume de negociações seguiu pouco inspirador e totalizou 1,75 bilhão de ações.

“O próximo momento chave é por volta de 30 de agosto; o rali deve continuar até lá, e o Nikkei deve subir para testar os 9.500 pontos”, disse Shoichiro Yamauchi, analista da Nomura. “Um aperto firme na marca dos 80 ienes por dólar é a chave para viabilizar um rali do Nikkei”, afirmou Hiroyuki Fukunaga, CEO da Investrust, ao observar que as previsões de lucros anuais dos principais exportadores se baseiam nesse nível cambial. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiabolsaChinahong kongtóquio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.