finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas da Ásia fecham em Ásia preocupadas com Espanha e China

Yolanda Fordelone

17 de abril de 2012 | 08h15

As Bolsas da Ásia fecharam em sua maioria em baixa, em meio a insistentes preocupações com os problemas da dívida espanhola, enquanto os bancos chineses se debateram após informações de que o investimento direto estrangeiro continua em declínio.

O Nikkei perdeu 5,93 pontos, ou 0,1%, e terminou aos 9.464,71 pontos, após desabar 1,7% na sessão de segunda-feira. Foi o nono declínio nos últimos 11 pregões. O volume de negociações seguiu fraco, com 1,54 bilhão de ações.

A Bolsa de Hong Kong fechou em baixa com preocupações sobre as dívidas soberanas na zona do euro, mas as perdas foram amenizadas, uma vez que os investidores foram atrás de pechinchas devido a fortes dados de vendas no varejo nos EUA. O índice Hang Seng caiu 0,2% e encerrou aos 20.562,31 pontos. Mineradoras de ouro e cobre caíram em meio a sombrias perspectivas do crescimento global. A produtora de ouro chinesa Zijin Mining perdeu 1,6%, Ningbao Gold cedeu 1,1% e Jiangxi Copper diminuiu 1,6%. A produtora gigante chinesa de alumínio também caiu 1,6%. Want Want China retrocedeu 3,7%, com realizações de lucros. Na contramão, a exportadora Li & Fung subiu 1,1% e a operadora portuária China Merchants avançou 1,6%.

As Bolsas da China fecharam em queda, à medida que o mercado continuou a consolidação do rali da semana passada, em meio a um ambiente de constante preocupação com a saúde das economias doméstica e global. O índice Xangai Composto caiu 0,9% e terminou aos 2.334,99 pontos. O índice Shenzhen Composto perdeu 1,3% e terminou aos 936,74 pontos. As ações de imobiliárias sofreram com as fracas perspectivas econômicas. China Vanke recuou 2,3% e Poly Real Estate cedeu 2,9%. Entre as montadoras, que devem apresentar queda na vendas, Chongqing Changan deslizou 2,9% e FAW Car retrocedeu 1,7%.

As informações são da Dow Jones.

(Antonio Rogério Cazzali, Ricardo Criez e Carlos Mercuri, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.