Bolsas da Ásia fecham em direções divergentes à espera de reunião do Eurogrupo

Estadão

26 de novembro de 2012 | 07h47

André Lachini e Danielle Chaves

TÓQUIO – As bolsas da Ásia fecharam a sessão desta segunda-feira em direções divergentes enquanto o mercado aguarda a reunião dos ministros de Finanças da zona do euro, o Eurogrupo, que acontecerá mais tarde e deverá definir se a nova parcela de ajuda será liberada à Grécia. Também contribuiu para a cautela o nervosismo com a questão do abismo fiscal nos EUA, diante das dúvidas sobre a capacidade de os legisladores norte-americanos chegarem a um acordo que evite aumentos de impostos e cortes de gastos em janeiro.

Na China as bolsas também foram afetadas negativamente por preocupações com um crescimento econômico fraco em 2013, que pesaram principalmente sobre ações de empresas dos setores de carvão e petróleo. O índice Xangai Composto terminou a sessão com queda de 0,5%, aos 2.017,46 pontos, e o Shenzhen Composto recuou 1,4%, para 789,49 pontos. China Shenhua Energy caiu 0,6%, Shanxi Xishan Coal & Electricity Power declinou 1,0% e PetroChina teve baixa de 0,1%.

O índice Hang Seng da Bolsa de Hong Kong teve leve queda, de 0,2%, para 21.862,81 pontos, pressionado por uma realização de lucros após obter o maior ganho semanal em mais de dois meses na semana passada. O volume negociado totalizou 46,31 bilhões de dólares de Hong Kong (US$ 5,98 bilhões), abaixo de 50,77 bilhões de dólares de Hong Kong na sexta-feira.

A Bolsa de Valores de Tóquio fechou hoje com um ganho modesto, impulsionada pela fraqueza do iene frente ao euro e também pela alta dos papéis de empresas exportadoras como TDK, Honda e Canon. A realização de lucros, no final do pregão, levou embora parte da alta intraday. O Nikkei fechou com um ganho 22,14 pontos (0,2%) aos 9.388,94 pontos, após um ganho de 1,6% na quinta-feira passada. Os mercados ficaram fechados na sexta-feira porque foi feriado no Japão. As informações são da Dow Jones.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.