Bolsas da Ásia fecham em queda à espera da ata do Fed

Estadão

22 de agosto de 2012 | 08h27

Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos

TÓQUIO – A fraqueza dos mercados internacionais, em particular de Wall Street, derrubou os mercados asiáticos nesta quarta-feira. Os investidores também andaram de lado à espera da divulgação da ata de reunião política do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), a ser anunciada no final do dia global. Não houve negociações na Indonésia por ser feriado.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong. O Hang Seng caiu 1,1% e terminou aos 19.887,78 pontos. Entre as blue chips, a reação aos resultados do primeiro semestre novamente direcionou os investidores. China Coal Energy desabou 2,8%. Belle tombou 4,6%.

As Bolsas da China tiveram queda, lideradas pelas ações de carvão e de cimento por causa da redução das expectativas da adoção de uma política de flexibilização para os setores no curto prazo. O Xangai Composto perdeu 0,5% e terminou aos 2.107,71 pontos. O Shenzhen Composto caiu 0,7%, aos 884,73 pontos. Wintime Energy teve declínio de 1,7% e Yang Quan Coal Industry recuou 1,3%. Anhui Conch Cement baixou 0,6%.

A Bolsa de Tóquio fechou novamente em ligeira queda nesta quarta-feira. Os participantes do mercado realizaram lucros, após os sólidos ganhos de 6,9% nas últimas duas semanas e antes da divulgação da ata da reunião de política monetária do Fed (o banco central dos EUA) realizada em 31 de julho e 1º de agosto.

O Nikkei caiu 25,18 pontos, ou 0,3%, e terminou aos 9.131,74 pontos, após queda de 0,2% na sessão de terça-feira. Fortes compras em ações desvalorizadas impediram um maior declínio. O volume de negociações foi fraco.

“À medida que o mercado vem mostrando ganhos constantes, o Nikkei pode precisar de vários dias para se consolidar em torno dos 9 mil pontos”, disse Yoshihiro Ito, estrategista-chefe da Okasan Online Securities.

Os investidores ignoraram os dados da balança comercial japonesa de julho, divulgados pouco antes da abertura do pregão. Apesar de o déficit comercial ter sido maior do que o esperado, o impacto já estava precificado, disseram operadores. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiabolsaChinafedhong kongtóquio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.