Bolsas da Ásia fecham mistas; Hong Kong sobe 0,7%

Estadão

14 de dezembro de 2012 | 08h14

Antonio Rogério Cazzali e Clarissa Mangueira, da Agência Estado

TÓQUIO – As bolsas da Ásia encerraram em direções divergentes nesta sexta-feira, com o índice acionário de Hong Kong atingindo uma nova máxima em 16 meses e o da China registrando a maior alta porcentual diária desde outubro de 2009.

Na China, o índice Shanghai Composite subiu 4,3%, para 2.150,63 pontos, o seu nível mais alto desde 10 de agosto. A alta porcentual diária também foi a maior desde 9 de outubro de 2009. O índice Shenzhen Composite Index subiu 4,1%, ou 32,33 pontos, para 816,19 pontos. As ações dos bancos tiveram forte desempenho. Bank of Nanjing subiu 10% e China Merchants avançou 7,6%. As produtoras de cimento também registraram ganhos: Tangshan Jidong Cement subiu 7,3% e Anhui Conch Cement ganhou 4,6%.

Relatos da imprensa local chinesa sugeriram que a Conferência Central de Trabalho Econômico poderá ser realizada no fim de semana, o que gerou otimismo. Houve também algumas expectativas de que a reunião de política anual poderia resultar em políticas destinadas a dar suporte à economia.

“O mercado está ganhando dinâmica com as expectativas de que a Conferência Central de Trabalho Econômico pode divulgar a meta oficial para o PIB (Produto Interno Bruto) de 2013 e uma política mais detalhada para urbanização, o que impulsionará os investimentos”, afirmou Huang Cendong, analista da Tebon Securities.

Além disso houve relatos de que as autoridades chinesas estão considerando medidas para reduzir o potencial excesso de oferta de ações, permitindo que as empresas que estão na fila para se tornarem públicas possam levantar dinheiro por outras fontes.

No front econômico, houve notícias positivas. O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) preliminar da China, medido pelo HSBC, subiu para 50,9 em dezembro – o nível mais alto em 14 meses – em comparação com a leitura final de 50,5 em novembro.

O índice Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, avançou 0,7%, para 22.605,98 pontos – uma nova máxima em 16 meses -, impulsionado pelo forte rali nas bolsas da China. No entanto, a atividade de captação de dinheiro e a pressão da realização de lucros limitaram os ganhos. Os destaques da sessão foram as ações das seguradoras: China Life (+2,3%), Ping An (+3,5%) e New China Insurance (+6,2%).

As informações são da Dow Jones. 

 

Tudo o que sabemos sobre:

Ásiabolsas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.