Bolsas da Ásia fecham sem sinal definido

Estadão

20 de dezembro de 2011 | 08h50

As bolsas da Ásia apresentaram números distintos nesta terça-feira. Por um lado, os mercados reagiram positivamente com a redução das preocupações de que a morte do líder norte-coreano Kim Jong-il poderia desestabilizar a península coreana. Por outro, continuou o desapontamento sobre a economia europeia, após o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, fazer uma avaliação sombria da situação.

A procura por barganhas ajudou a Bolsa de Tóquio a fechar em elevação, após as fortes vendas observadas na segunda-feira no embalo da morte do líder norte-coreano. Nesta terça-feira, o Nikkei ganhou 40,36 pontos, ou 0,5%, e encerrou aos 8.336,48 pontos, após queda de 1,3% na sessão anterior.

A Bolsa de Hong Kong reagiu com peso idêntico aos dois fatores. Com isso, o índice Hang Seng fechou estável, com alta de apenas 9,99 pontos, ou 0,06%, e encerrou aos 18.080,20 pontos. A blue chip imobiliária China Overseas Land liderou a queda, ao cair 3,5%. China Resources Land retrocedeu 2,1%. A petrolífera Cnooc recuou 0,6%. Já a empresa de vestuário Hang Ten Group avançou 56% na retomada de suas negociações.

Na China, a Bolsa de Xangai também fechou praticamente estável, com os investidores andando de lado por conta das estreitas condições de liquidez. O índicde Xangai Composto caiu apenas 0,1% e terminou aos 2.215,93 pontos. Já o índice Shenzhen Composto perdeu 0,4% e encerrou aos 909,02 pontos. As corretoras lideraram o declínio por causa das preocupações sobre suas perspectivas de lucros em meio a um mercado fraco. Soochow Securities baixou 4,9% e Northeast Securities recuou 2,6%. Já os produtores de cimento se beneficiaram da presença de investidores em busca de ofertas de ocasião. Jiangxi Wannianqing Cement disparou 9,1% e Anhui Chaodong Cement saltou 6,7%.

O yuan caiu ante o dólar, seguindo a paridade diária da taxa de referência de câmbio da moeda, embora os traders acreditem que o banco central interveio pela terceira sessão seguida para prevenir um enfraquecimento maior da divisa chinesa. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,3472 yuans, de 6,3378 yuans ontem. A taxa de paridade central dólar/yuan foi fixada em 6,3351 yuans, de 6,3303 yuans ontem.

Já a Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, fechou em alta com compras por parte de investidores locais, apesar das pesadas vendas dos investidores estrangeiros. Ao contrário da véspera, quando desabou 3,4%, a morte do ditador norte-coreano Kim teve hoje impacto limitado sobre o índice Kospi, que subiu 0,9% e terminou aos 1.793,06 pontos. Destaque para as compras nos setores tecnológico e químico.

(Antonio Rogério Cazzali, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

Ásiabolsaskim jong-ilmercados

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.