Bolsas da Ásia se recuperam com a forte alta em Xangai

Estadão

27 de setembro de 2012 | 08h18

Antonio Rogério Cazzali e Ricardo Criez

TÓQUIO – Os mercados asiáticos fecharam no campo positivo nesta quinta-feira, após os fracos resultados da véspera. O bom desempenho da Bolsa de Xangai alavancou os mercados da região. Os investidores, contudo, mantiveram os temores sobre a crise da dívida da zona do euro.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong, que teve um forte rali na sessão da tarde, estimulada pela repentina reviravolta nos mercados chineses. O Hang Seng ganhou 1,1% e encerrou aos 20.762,29 pontos. Entre as blue chips, os ganhos foram liderados por empresas chinesas. Banco Industrial e Comercial da China (ICBC) subiu 1,8%, Cnooc adicionou 2,1% e Tencent saltou 2,4%. Esprit, contudo, contrariou a tendência e recuou 5,7%.

Na China, as Bolsas tiveram forte alta, após encerrarem a quarta-feira no menor nível em 44 meses. Aumentaram as expectativas de que Pequim poderá tomar mais medidas para estimular a confiança dos investidores. A injeção de liquidez no sistema bancário também deu suporte ao mercado. O Xangai Composto subiu 2,6% e encerrou aos 2.056,32 pontos, no maior ganho porcentual diário desde 7 de setembro. O Shenzhen Composto também subiu 2,6%, aos 837,96 pontos. Sinolink Securities e Hong Yuan Securities atingiram a alta limite diária de 10%. China Vanke saltou 5,4%.

A Bolsa de Tóquio fechou em alta. O Nikkei subiu 43,17 pontos, ou 0,5%, e terminou aos 8.949,87 pontos, após desabar 2% na sessão de quarta-feira. O volume de negociações seguiu fraco, com 1,6 bilhão de ações.

“As manifestações públicas que ocorrem em Espanha estão alimentando as preocupações”, disse Hiroaki Osakabe, gerente de fundos da Chibagin Asset Management. Já as preocupações sobre uma desaceleração na economia chinesa, bem como as tensões geopolíticas entre China e Japão, pesaram sobre o mercado chinês nos últimos dias. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiaChinahong kongtóquio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.