Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Bolsas da Ásia se recuperam com comentários do Fed

Yolanda Fordelone

27 de março de 2012 | 08h28

A maioria dos mercados asiáticos apresentou acentuada recuperação nesta terça-feira, após os fracos resultados da véspera. Os investidores reagiram bem à declaração do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Ben Bernanke, de que as baixas taxas de juros são necessárias para apoiar o mercado de trabalho local.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong, com destaque para a recuperação das ações cíclicas. O índice Hang Seng ganhou 378,05 pontos, ou 1,83%, e encerrou aos 21.046,91 pontos. As empresas de metais e de carvão lideraram os ganhos, ajudadas pelo aumento dos preços das commodities.

A Bolsa de Tóquio fechou em forte alta nesta terça-feira. A desvalorização do iene e os sinais de contínuo afrouxamento na política monetária dos Estados Unidos ajudaram as ações de exportadoras, como Canon e Renesas Electronics, e levaram o índice Nikkei a atingir seu maior fechamento desde 10 de março de 2011 – um dia antes do terremoto e tsunami que devastaram a região nordeste do Japão.

O Nikkei disparou 236,91 pontos, ou 2,4%, e terminou aos 10.255,15 pontos, após alta de 0,1% na sessão de segunda-feira – o índice fechou em seu pico, algo raro nos últimos meses. O volume de negociações subiu para robustos 2,26 bilhões de ações.

Já as Bolsas da China estancaram os ganhos da manhã e terminaram em queda por causa das crescentes preocupações de que Pequim poderá abrandar o ritmo da flexibilização da política monetária devido à potencial pressão inflacionária provocada pela alta dos preços das commodities. O índice Xangai Composto caiu 0,2% e terminou aos 2.347,18 pontos. O índice Shenzhen Composto perdeu 0,5% e encerrou aos 948,10 pontos. 

As informações são da Dow Jones.

(Antonio Rogério Cazzali, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos)

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiabolsa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: