Bolsas da Ásia se recuperam com dados sobre EUA

Yolanda Fordelone

16 de dezembro de 2011 | 08h17

Após as recentes fortes quedas, as bolsas asiáticas se recuperaram e fecharam no campo positivo nesta sexta-feira. Os bons números da economia norte-americana, mais fortes do que as expectativas, contribuíram para o bom desempenho e a melhora no sentimento dos investidores da região.

Por conta disso, a Bolsa de Hong Kong encerrou seis sessões seguidas de perdas, também ajudada pelas expectativas de que Pequim vai reduzir parcialmente as restrições sobre o mercado imobiliário. O índice Hang Seng subiu 258,55 pontos, ou 1,4%, e fechou aos 18.285,39 pontos – na semana, contudo, o índice acumulou queda de 1,6%. As imobiliárias chinesas lideraram os ganhos: China Resources Land saltou 9,1% e China Overseas Land avançou 5,4%.

A Bolsa de Tóquio, no Japão, fechou em ligeira alta, mostrando modesto entusiasmo para os sólidos indicadores econômicos dos Estados Unidos e para o suave leilão de títulos da Espanha. Já os problemas da dívida soberana europeia e a fraqueza nas commodities pesaram sobre as empresas de trading. Nesta sexta-feira, o Nikkei adicionou 24,35 pontos, ou 0,3%, e encerrou aos 8.401,72 pontos, após baixa de 1,7% na sessão anterior.

Na China, as bolsas apresentaram forte recuperação, ao encerrar seis pregões seguidos de baixa. As esperanças de que Pequim tomaria medidas para impulsionar os preços das ações estimularam o mercado. A estreia da seguradora New China Life Insurance, mais forte do que o esperado, também deu suporte ao rali. O índice Xangai Composto subiu 2% e terminou aos 2.224,84 pontos, após acumular perdas de 6,5% nas últimas seis sessões. O índice Shenzhen Composto ganhou 2,8% e fechou aos 910,35 pontos. Empresas do setor financeiro estiveram entre as maiores ganhadoras do dia, lideradas pela alta de 14% da New China Life Insurance. China Life adicionou 1,4% e Ping An avançou 2,1%.

As informações são da Dow Jones

(Antonio Rogério Cazzali, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiabolsas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.