Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bolsas da Ásia têm resultados distintos após rebaixamento da Espanha

Yolanda Fordelone

27 de abril de 2012 | 08h33

As Bolsas da Ásia fecharam em números distintos, graças a sólidos dados dos EUA, mas a baixa da nota de crédito da Espanha limitou os ganhos.

A Bolsa de Hong Kong reverteu os ganhos da manhã para fechar em baixa, seguindo os declínios no Ocidente após o rebaixamento, pela S&P, da nota da dívida de longo prazo da Espanha de A para BBB+, e antes do leilão de títulos de longo prazo da Itália. O índice Hang Seng cedeu 0,33% e terminou aos 20.741,45 pontos. Na semana, a queda soma 1,3%. Papéis de companhias de recursos naturais tiveram queda com preocupações sobre a Europa. China Coal caiu 0,6% e Cnooc, 0,1%. Foxconn International perdeu 15,8%, após informar que espera prejuízo líquido consolidado no semestre terminado em 30 de junho. Na direção oposta, PetroChina subiu 3,0%.

As Bolsas da China terminaram em baixa, com realizações de lucros antes do feriado de quatro dias seguido ao fim de semana, devido ao Dia do Trabalho. O índice Xangai Composto caiu 0,4% e fechou aos 2.396,32 pontos – na semana, a perda totaliza 0,4%. O índice Shenzhen Composto cedeu 0,3% e encerrou aos 940,35 pontos. As incorporadoras imobiliárias tiveram baixas: Chongqing International Enterprise Investment -4,7%, Shanghai Wanye Enterprises -1,8% e Cofco Property -1,7%.

O yuan caiu ante o dólar após pesadas compras da moeda americana, embora o banco central tenha fixado a taxa de referência diária em recorde de alta pelo segundo dia consecutivo. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,3102 yuans, de 6,3060 yuans ontem. A taxa de paridade central dólar-yuan foi fixada em 6,2787 yuans, de 6,2829 yuans na véspera.

A Bolsa de Tóquio caiu nesta sexta-feira. O entusiasmo inicial com o anúncio do Banco do Japão (BOJ, na sigla em inglês) de medidas de relaxamento econômico sucumbiu à realização de lucros, e as ações de grandes indústrias como a Fanuc, Canon e Japan Tobacco puxaram o mercado decisivamente para baixo.

O índice Nikkei recuou 40,94 pontos, ou 0,43%, aos 9.520,89 pontos após o pequeno ganho do dia anterior. Na semana, o índice perdeu 0,4%. Com o mercado efetivamente concluído em abril, uma vez que será feriado na segunda-feira, o Nikkei subiu até agora 12,6% no ano. A perda de 5,6% do índice verificada em abril é a mais acentuada num mês desde novembro. O volume total de negociações foi bastante robusto, totalizando 2,2 bilhões de ações, o maior desde 5 de abril.

As informações são da Dow Jones. 

(Antonio Rogério Cazzali, Carlos Mercuri e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: