Bolsas da Ásia voltam a fechar sem sinal definido

Yolanda Fordelone

29 de setembro de 2011 | 07h54

As bolsas asiáticas apresentaram novamente números distintos. Desta vez, contudo, os investidores reagiram de forma diferente à crise da dívida na zona do euro. A Bolsa de Hong Kong esteve fechada devido à passagem de um tufão.

A Bolsa de Tóquio fechou em alta, pois a valorização do euro ajudou alguns pesos pesados do setor de tecnologia, como Kyocera, Canon e TDK, mais do que compensando as perdas entre as ações ligadas às commodities, como as das siderúrgicas e das empresas de transporte marítimo, O índice Nikkei 225 subiu 85,58 pontos, ou 1%, para 8.701,23 pontos.

Nas Bolsas da China, prevaleceu o sentimento baixista relacionado à crise da dívida da Grécia e aos temores sobre a redução do crescimento da economia doméstica, às vésperas do longo feriado de 1º de outubro. O índice Xangai Composto perdeu 1,1% e fechou aos 2.365,34 pontos, no pior fechamento desde 5 de julho de 2010. O índice Shenzhen Composto caiu 2,5% e terminou aos 1.006,11 pontos.

Na manhã desta quinta-feira, os mercados na Europa também não seguem uma mesma tendênica. Às 7h55, Londres recuava 0,36%, enquanto Paris avançava 0,65%, Madri, 0,80%, e Frankfurt, 0,16%. As informações são da Dow Jones.

(Hélio Barboza, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos)

Leia tudo sobre os mercados financeiros e a crise econômica nos Estados Unidos e Europa

Tudo o que sabemos sobre:

açõesÁsiabolsa

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.