Bolsas da Europa fecham em alta puxadas pelo setor de energia; Bovespa sobe

Bianca Pinto Lima

23 de dezembro de 2011 | 16h30

Gabriel Bueno, da Agência Estado

Os principais índices das bolsas europeias fecharam em alta nesta sexta-feira, em um dia de negociações fracas. O bom desempenho foi puxado pelas ações do setor de energia, como as da BP, e por farmacêuticas, entre elas a Roche. O índice pan-europeu Stoxx 600 subiu 0,87%, ou 2,08 pontos, para 241,86 pontos. Na semana, o Stoxx 600 registrou alta de 3,49%, mas nos últimos 12 meses perdeu mais de 12%.

Em Londres, o mercado fechou mais cedo, e na próxima segunda-feira os mercados europeus estarão fechados por causa do feriado de Natal. As ações da Roche, que têm bastante peso no Stoxx 600, subiram 1%, após o medicamento Avastin, para câncer no ovário, ganhar autorização da União Europeia para aplicação em mulheres com casos avançados da doença recém diagnosticados.

Os mercados nos EUA operavam em alta, após dados mistos. A renda pessoal e os gastos dos consumidores subiram 0,1% em novembro, menos que o esperado pelos analistas, mas as encomendas de bens duráveis cresceram 3,8% em novembro, acima da expectativa. Dow Jones ganha 0,75%, S&P 500 sobe o,64% e Nasdaq tem valorização de 0,55%.

“A renda pessoal e o dado sobre consumo não estavam muito bons, e esse é o grande risco para o próximo ano”, afirmou Koen De Leus, estrategista do KBC Securities. “As pessoas dizem que os dados macroeconômicos estão bons (nos EUA), mas é preciso tomar cuidado com esses dois componentes.”

As negociações fracas ajudaram a tirar a atenção dos problemas de dívida soberana nesta sexta-feira, mas De Leus notou que o yield (retorno ao investidor) dos bônus dos países europeus estão em altas assustadoras. O yield do bônus de 10 anos da Itália estava em alta, perto do nível de 7%, quando na sessão anterior estava em 6,79%.

No mercado doméstico, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 0,53%, aos 57.650 pontos. Já o dólar sobe 0,38%, cotado a R$ 1,8590.

Na Bolsa de Milão, o índice FTSE MIB subiu 0,31%, para 15.073,99 pontos. O FTSE MIB subiu na semana 3,44%. Os bancos UniCredit e Unione di Banche Italiane recuaram 3% e 2%, respectivamente. As instituições bancárias pela Europa tiveram forte ganhos na quinta-feira.

As ações do setor de energia tiveram altas, entre elas a gigante BP em Londres e a Total em Paris, ambas subindo 2%.

Os ganhos da BP puxaram o índice FTSE 100, que fechou em alta de 1,02%, para 5.512,70 pontos, e na semana subiu 2,33%. As ações da Tullow Oil avançaram 3% e várias companhias de energia tiveram bom desempenho, como National Grid (+2,5%) e Centrica (+1,9%).

Em Paris, a Total puxou os ganhos do índice CAC 40, de 0,99%, para 3.102,09 pontos. Na semana, o CAC 40 registrou alta de 4,37%. Air France-KLM recuou 3,7%, após a divulgação na imprensa da notícia de que a companhia poderia registrar prejuízo operacional para todo o ano de 2011. A redução no número de encomendas de carros na França em dezembro continua a afetar a Peugeot, que recuou 0,8%. O setor de energia também teve ganhos em Paris, com Veolia avançando 3,6%. No setor de luxo, LVMH Moet Hennessy Louis Vuitton subiu 1,6%, mantendo os fortes ganhos da sessão anterior.

O índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, teve alta de 0,46%, para 5.878,93 pontos, e na semana avançou 3,11%. Deutsche Bank subiu 1,7%, porém as ações do Commerzbank perderam 0,7%, após fortes ganhos na quinta-feira. A companhia do setor automobilístico Volkswagen registrou alta de 0,4%, e a BMW recuou 0,5%.

Na Espanha, o índice Ibex 35 avançou 0,94%, para 8.542,70 pontos, e na semana, o índice subiu 4,14%. Em Lisboa, por sua vez, o índice PSI 20 teve alta de 1,29%, chegando aos 5.401,40 pontos, e na semana ficou em +1,58%.

(Com informações da Dow Jones)

Tudo o que sabemos sobre:

Bovespa; bolsas; mercados; ações

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.