Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Índices da bolsa de NY fecham em queda com temor de desaceleração na China

Estadão

20 de março de 2012 | 18h06

Ricardo Gozzi, da Agência Estado

Os índices de ações da bolsa de valores de Nova York (Nyse) fecharam em queda hoje em meio a temores referentes à possibilidade de desaceleração da economia da China. Com isso, os índices cederam um pouco de espaço depois de terem chegado aos níveis mais elevados em anos nas últimas sessões.

O índice industrial Dow Jones caiu 68,94 pontos (0,52%), encerrando o pregão em 13.170,19 pontos. O índice Standard & Poor’s 500 cedeu 4,23 pontos (0,30%), terminando em 1.405,52 pontos. O Nasdaq, por sua vez, fechou em queda de 4,17 pontos (0,14%), a 3.074,15 pontos.

Ações dos setores industrial e energético lideraram a queda. Os papéis da Caterpillar caíram 2,61%, enquanto os United Technologies recuaram 1,61% e os da Alcoa perderam 1,51%.

No terreno positivo, as ações do Bank of America subiram 2,94% e as da Cisco Systems avançaram 2,14%. Enquanto isso, a Apple subiu 0,81% e renovou sua máxima histórica, fechando em US% 605,96 por ação depois de ter anunciado que a nova versão do iPad vendeu 3 milhões de unidades durante o último fim de semana.

O declínio das ações de hoje começou depois de um executivo da mineradora angloaustraliana BHP Billiton ter advertido que a demanda da China por minério de ferro irá diminuir junto com uma provável desaceleração de sua economia.

“Nós sabemos que a China está desacelerando, mas eu acho que se o mercado estivesse realmente preocupado com isso e com a forma como isso vai afetar os lucros corporativos nos Estados Unidos, a venda seria muito maior”, observou Quincy Krosby, estrategista de mercado da Prudential Financial.

“Sempre há pausas quando os mercados sobem muito rápido. É da natureza dos mercados. O que aconteceu hoje foi um pouco de realização de lucro”, afirmou. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:

bolsasChinadesaceleraçãonova york

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: