finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas europeias disparam após acordo sobre crise; bancos lideram alta

Estadão

27 de outubro de 2011 | 10h56

As bolsas europeias operam em forte alta nesta manhã, impulsionadas pelas ações de companhias do setor bancário, que ganham força após o acordo anunciado na madrugada pelos líderes europeus para conter a crise da dívida no continente. Às 10h30 (de Brasília), Frankfurt avançava 5,12%, Paris ganhava 5,58% e Londres tinha alta de 2,98%.

Sob os termos do acordo fechado pelos líderes da zona do euro, a Grécia receberá um pacote de resgate de 100 bilhões de euros e os detentores privados de bônus gregos vão aceitar um corte (haircut) de 50% no valor original desses títulos. Além disso, os governos da zona do euro vão oferecer 30 bilhões de euros para financiar garantias para o setor privado, como parte do acordo para a redução da dívida grega. Já o poder de fogo da Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) vai ser elevado em quatro ou cinco vezes, chegando a aproximadamente 1 trilhão de euros.

Segundo o Goldman Sachs, essas propostas ainda são vagas no momento, mas devem ser transformadas em um plano que oferecerá um caminho credível para conter e resolver a crise, elevando significativamente os preços atuais das ações de companhias europeias. “Assim, nós revisamos nossa previsão de três meses para o índice Stoxx Europe 600 para 255 pontos, embora os riscos circulando essa projeção permaneçam elevados”. No horário citado acima, o Stoxx Europe 600 operava em alta de 3%, a 247,89 pontos.

O índice específico do setor bancário europeu avançava 7,1%. O destaque são os bancos franceses, cujas ações foram fortemente prejudicadas nos últimos meses, em razão dos receios dos investidores com a exposição dessas instituições à dívida soberana da Grécia. O BNP Paribas ganhava 14,40%, Credit Agricole subia 16,79% e Société Générale avançava 12,34%.

Outro fator positivo para o sentimento em relação à Europa são os relatos de que o Banco Central Europeu (BCE) comprou bônus de Itália e Espanha hoje no mercado secundário. Notícias corporativas também ajudaram. As ações da companhia sueca Telefon AB L.M. Ericsson subiam 4,85%, após o grupo encerrar uma joint venture de dez anos com a Sony, ao vender sua participação na Sony Ericsson para a empresa japonesa, por 1,05 bilhão de euros.

Os papéis da Royal Dutch Shell tinham valorização de 0,29%, após a companhia divulgar que seu lucro ajustado no terceiro trimestre subiu 42%, para US$ 7 bilhões. As informações são da Dow Jones.

(Álvaro Campos, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

acordocbolsascriseeuropagrécia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: