Bolsas europeias fecham em baixa após PIB espanhol

Estadão

28 de agosto de 2012 | 14h36

Sergio Caldas, da Agência Estado

As bolsas europeias fecharam quase todas em baixa nesta terça-feira, influenciadas por notícias da Espanha e pela leitura fraca do índice de confiança do consumidor dos EUA. O índice Stoxx Europe 600 caiu 0,7%, encerrando o dia aos 267,32 pontos.

As ações já começaram o dia sob pressão após a Espanha divulgar que seu Produto Interno Bruto (PIB) apresentou contração de 1,3% no segundo trimestre ante o mesmo período do ano passado, maior que o declínio previsto anteriormente, de 1,0%.

Horas mais tarde, as praças europeias ampliaram as perdas após a Catalunha, a região autônoma mais endividada da Espanha, anunciar que pedirá 5,023 bilhões de euros em assistência financeira do programa de liquidez do governo central. “É só uma questão de tempo para que a Espanha peça um programa de ajuda integral dos parceiros europeus”, comentou um trader. Recentemente, Madri garantiu até 100 bilhões de euros em auxílio para seu combalido setor financeiro.

Já dos EUA, a pressão de baixa partiu do índice de confiança do consumidor norte-americano, medido pelo Conference Board, que caiu este mês ao nível mais baixo desde novembro de 2011. A leitura de agosto ficou em 60,6, bem abaixo da previsão de que o índice ficaria em 66.

Além disso, os investidores se mantêm cautelosos antes do simpósio anual de Jackson Hole, onde o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, fará discurso, na sexta-feira. Foi lá que, em 2010, Bernanke preparou o terreno para a segunda rodada de estímulos com o objetivo de sustentar a economia dos EUA. A esperança é que o evento deste ano seja o prenúncio de uma terceira rodada de relaxamento quantitativo.

Em entrevista à Reuters, o presidente do Fed de Dallas, Richard Fisher, que não tem direito a voto nas reuniões de política monetária do BC norte-americano, disse hoje que as autoridades da instituição precisam considerar os “efeitos colaterais negativos” de um possível relaxamento.

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, por sua vez, cancelou sua participação no evento de Jackson Hole, prevista para sábado, “diante de pesados trabalhos nos próximos dias”, segundo um porta-voz da instituição. O cancelamento alimentou expectativas de que o BCE esteja finalizando um plano para compra de bônus soberanos da zona do euro.

Também pesou hoje na Europa a revisão para baixo do crescimento econômico do Japão, que reacendeu temores relacionados à desaceleração global.

Após o feriado de ontem, o índice FTSE 100, de Londres, fechou praticamente estável, com ligeira queda de 0,02%, aos 5.775,71 pontos. As mineradoras tiveram fortes perdas no pregão desta terça, com ENCR e Kazakhmys recuando 6% e 4%, respectivamente.

Em Paris, o índice CAC-40 recuou 0,90%, para 3.431,55 pontos. O Crédit Agricole caiu 0,3%, apesar de ter divulgado balanço semestral melhor que o esperado. A telefônica Boygues, que ainda vai apresentar seu resultado do primeiro semestre, registrou a maior queda, de 2,7%. A rede varejista Carrefour perdeu 1,9% após anunciar planos de fechar lojas na Cingapura.

O índice Dax, de Frankfurt, encerrou em baixa de 0,64%, aos 7.002,68 pontos. Depois de liderar os ganhos ontem, o Deutsche Bank perdeu 1,9%. Henkel e Beiersdorf, por outro lado, avançaram 1,2% e 0,5%, respectivamente, depois de ter suas recomendações elevadas.

Em Madri, o índice Ibex-35 caiu 0,88% e fechou a 7.333,50 pontos. Recuaram ações financeiras, como Santander (-0,8%) e BBVA (-0,3%), e do varejo, como Inditex (-1,6%).

Já a bolsa de Milão mostrou uma pequena perda de 0,13%, com o índice FTSE Mib a 14.993,01 pontos. Ações do setor industrial, como Finmeccanica, Prysmian e Pirelli, perderam 1% ou mais, na esteira do índice de confiança dos EUA. UBI Banca, por sua vez, registrou a maior alta, de 4,9%, após divulgar um aumento de 33% no lucro operacional do primeiro semestre.

A bolsa portuguesa, em Lisboa, foi a única das principais a subir hoje. O índice PSI-20, que já tinha avançado 1,72% na sessão anterior, subiu mais 0,37% e fechou a 4.979,32 pontos, a máxima do dia. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:

bolsaseuropa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.