finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas na Europa sobem e euro fica estável com otimismo

Yolanda Fordelone

21 de outubro de 2011 | 07h54

Os índices acionários da Europa registram desempenho positivo na sua maioria, conduzidos por bancos, enquanto o euro opera perto da estabilidade, em meio a esperanças de que os líderes europeus podem encontrar uma solução para a crise da dívida e bancária nos próximos dias, mesmo se um acordo não for alcançado na cúpula da União Europeia (UE) durante o fim de semana.

Apesar dos relatos de um desacordo entre a Alemanha e a França ontem sobre os detalhes da Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês), líderes de ambas as nações prometeram criar um plano abrangente na segunda cúpula da UE para ser apresentado até a quarta-feira da próxima semana pelo menos.

“Os formuladores de políticas públicas estão se dando conta que um passo forte deve ser tomado e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da França, Nicolas Sarkozy, estão tendo conversas difíceis a portas fechadas com o objetivo de alcançar algo significativo muito em breve”, disse o Lloyds Corporate Markets.

Os ministros de Finanças da zona do euro, o Eurogrupo, iniciam sua reunião em Bruxelas, a partir das 10h (de Brasília).

Às 7h40 (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 0,73%, Frankfurt avançava 0,57%, Paris ganhava 0,91% e Madri tinha alta de 1,33%. A Bolsa de Lisboa seguia na mão contrária, com que da de 0,06%. As ações do Barclays (+2,18%), Royal Bank of Scotland Group (+3,22%), Société Générale (+2,89%), BNP Paribas (3,01%), UniCredit(5,32%) e Commerzbank (+2,12%).

Entre os indicadores econômicos divulgados mais cedo estavam o índice de confiança das empresas na França, que caiu para 97, de 99 em setembro, abaixo da previsão dos economistas de 98, segundo a agência nacional de estatísticas, a Insee. O instituto de pesquisas IFO reportou também que o índice de clima para negócios da Alemanha caiu para 106,4, do dado levemente ajustado de setembro de 107,4. O resultado ficou perto do consenso dos analistas ouvidos pela Dow Jones, que previam leitura de 106,3.

O Escritório Nacional de Estatística do Reino Unido afirmou ainda que a tomada de empréstimos líquida pelo setor público subiu 14,1 bilhões de libras em setembro, para 63,5 bilhões de libras, em bases anuais, após avançar 15,4 bilhões de libras em setembro do ano passado. Os números excluem as intervenções do governo no setor financeiro.

Hoje expira uma dívida de 1,625 bilhão de euros da Grécia e o trio formado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Central Europeu (BCE) e a Comissão Europeia deve encerrar uma visita de dez dias à Irlanda.

Por volta das 7h45 (de Brasília), o euro estava em US$ 1,3778, de US$ 1,3780 ontem, enquanto o dólar operava em 76,70 ienes, de 76,81 ienes. As informações são da Dow Jones.

(Clarissa Mangueira, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:

açõeseuropa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: