Bovespa acompanha exterior e abre em alta

Yolanda Fordelone

30 de novembro de 2011 | 11h07

Motivos não faltam para o otimismo que predomina entre os investidores hoje. Na Europa, saíram alguns dados positivos da economia e há pouco os Banco Centrais anucniaram algumas medidas. Além disso, enquanto os mercados registraram alta ontem, a Bovespa recuou 1,28%.

“O Brasil não acompanhou os mercados, principalmente por conta de um setor específico, a siderurgia”, diz o economista da corretora Gradual, André Perfeito. Hoje a Bovespa acompanhou a forte alta do exterior e abriu em alta de 0,23%, a 55.436 pontos.

O Banco Central Europeu disse há pouco que os bancos centrais de diversos países coordenam esforços para cortar os preços dos contratos de swap em dólar. A ação foi vista como um movimento para dar suporte ao sistema financeiro global. Os esforços incluem os BCs dos EUA, Canadá, Inglaterra, Japão, Europa e Suíça.

A agenda econômica também é positiva. Perfeito aponta o desemprego na Alemanha, que atingiu o menor patamar em 20 anos. Na zona do euro e Itália, a taxa subiu.

Outra notícia, vinda da Ásia, surpreendeu os mercados: a China reduziu o valor do depósito compulsório dos bancos em 0,5 ponto porcentual.

No horário, a bolsa de Londres subia 2,32%, Madri, 2,37%, Paris, 2,73%, e Frankfurt, 3,62%. O dólar recuava 0,76%, a R$ 1,832.

Perto do meio dia, sai o relatório da consultoria ADP sobre a criação de vagas de emprego no setor privado dos EUA.”A expectativa é de melhora”, afirma Perfeito.

Apesar do noticiário positivo, no Reino Unido dia é de greve contra os cortes de gastos do governo. O ministro das Finanças, George Osborne, disse que o governo precisava levar o setor de pensões públicas para um patamar mais sustentável.

No Brasil, o destaque do dia é a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) para decidir a nova taxa básica de juros (Selic). A expectativa é de corte de 0,5 ponto porcentual entre a maioria dos analistas. “A minha projeção é de que o colegiado vai seguir o corte de 50 pontos base, como já tem feito . Não vai criar nenhuma surpresa”, diz o economista.

 reinounido_REUTERSTobyMelville.jpg

Tudo o que sabemos sobre:

açõesBovespa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.