Bovespa cai 1,45%, mas mantém patamar de 65 mil pontos

Estadão

28 de março de 2012 | 17h51

Claudia Violante, da Agência Estado

Indicadores mais fracos do que o esperado nos EUA e renovação das preocupações com o crescimento chinês derrubaram as bolsas pelo mundo e fizeram com que a Bovespa testasse em várias ocasiões do dia o nível de 64 mil pontos. As ações ligadas a matérias-primas recuaram em bloco, assim como os bancos. BM&FBovespa seguiu a mesma trajetória, após revés judicial.

O Ibovespa terminou a sessão em baixa de 1,45%, aos 65.079,34 pontos. Na mínima, registrou 64.819 pontos (-1,84%) e, na máxima, os 66.032 pontos (-0,01%). No mês, voltou a acumular perda, de 1,11%, mas, no ano, sobe 14,67%. O giro financeiro totalizou R$ 6,789 bilhões. Os dados são preliminares.

O ocidente começou a operar tendo como pano de fundo a queda de 2,7% da Bolsa de Xangai, no pior pregão desde novembro passado, em razão do tombo das ações das mineradoras. Os balanços do setor desapontaram e voltaram a suscitar preocupações sobre o ritmo de crescimento do gigante asiático.

A queda dos metais básicos foi natural e acompanhada pelo petróleo, depois que os dados de estoques nos EUA mostraram avanço e depois que a França disse que as reservas da AIE podem ser usadas.

Na Nymex, o contrato para maio encerrou em baixa de 1,79%, a US$ 105,41 o barril. Em Wall Street, o Dow Jones recuou 0,54%, aos 13.126,21 pontos, o S&P terminou com desvalorização de 0,49%, aos 1.405,54 pontos, e o Nasdaq perdeu 0,49%, aos 3.104,96 pontos.

O setor financeiro acompanhou o sinal negativo dos ativos globais e também caiu, mas as perdas tiveram ainda como agravante a notícia de que o governo pretende lançar ações para reduzir os spreads bancários. Bradesco PN, -2,15%, Itaú Unibanco PN, -2,62%, BB ON, -1,43%, Santander unit, -1,76%.

BM&FBovespa ON fechou com queda de 2,58%. A empresa foi condenada, em primeira instância, pela prática de possíveis atos de improbidade administrativa referentes a operações realizadas pelo Banco Central em janeiro de 1999 no mercado futuro de dólar.

Petrobras ON terminou em baixa de 1,95%, PN, -1,72%, Vale ON, -1,91%, PNA, -1,67%.

Tudo o que sabemos sobre:

Bovespa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.