coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Bovespa cai 3,66% com dados da China e recua ao menor nível desde julho de 2012

Estadão

15 de abril de 2013 | 18h00

Empresário responde a internauta; ação da OGX perdeu hoje 12,90% e fechou na mínima histórica, a R$ 1,35

 

Claudia Violante, da Agência Estado

Os dados fracos do PIB do primeiro trimestre da China e da produção industrial de março do país fizeram com que uma onda de venda de ações varresse o globo. As bolsas europeias fecharam em baixa e também as norte-americanas, pressionadas ainda por um dado ruim de atividade industrial. Também pressionaram as bolsas à tarde explosões em Boston, onde acontecia sua tradicional maratona. Nesse cenário, a Bovespa renovou as mínimas e acabou fechando com perdas superiores a 3%, no pior nível desde julho do ano passado.

VEJA TAMBÉM
 Dólar fecha na máxima, a R$ 1,995

 NY cai após perdas em commodities

 Bolsas europeias encerram em baixa

O Ibovespa terminou a segunda-feira na mínima pontuação do dia, com perda de 3,66%, aos 52.949,93 pontos, menor nível desde 25 de julho do ano passado, quando terminou em 52.607,54 pontos. Na máxima, registrou 54.952 pontos (-0,02%). No mês, acumula perda de 6,04% e, no ano, 13,13%. O giro financeiro totalizou R$ 9,957 bilhões, dos quais R$ 2,48 bilhões referente ao vencimento de opções sobre ações.

O papel da Vale teve uma das principais baixas, recuando com a queda das commodities metálicas em função do desempenho chinês. As ações ON da brasileira caíram 6,13% e as PNA, 6,47%. No setor siderúrgico, Usiminas PNA desabou 6,28% e ON, 6,17%. Gerdau PN, -3,86%, Metalúrgica Gerdau PN, -2,99%, e CSN ON, -4,28%.

Petrobrás ON fechou com retração de 4,63% e PN, de 4,06%. No mesmo setor, OGX, do empresário Eike Batista, perdeu 12,90%, renovando seu preço mínimo histórico, hoje de R$ 1,35.

“Não faltava nada para acontecer hoje”, comentou um profissional no meio da tarde após as notícias de bombas que explodiram depois do término da Maratona de Boston. O mercado – e o público – ainda não tinha maiores informações sobre o incidente e, na dúvida, resolveu vender ativos, temeroso de um atentado terrorista.

O estopim das vendas, no entanto, foi o PIB chinês, que cresceu 7,7% de janeiro a março ante igual período do ano passado, abaixo da previsão de alta de 8%. A produção industrial aumentou 8,9% em março, também aquém das expectativas. Nos EUA, decepcionou principalmente o índice de atividade industrial Empire State, calculado pelo Federal Reserve de Nova York, que ficou em 3,05 em abril, abaixo dos 9,2 de março e da previsão de 7,5 dos economistas.

Em Nova York, o Dow Jones perdeu 1,79%, aos 14.599,20 pontos. O S&P recuou 2,30% aos 1.552.36 pontos, e o Nasdaq caiu 2,38%, aos 3.216,49 pontos.

Tudo o que sabemos sobre:

Bovespa; bolsas; mercados; ações

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: